Impulsionada por alta da inflação, desaprovação de Lula chega a 58% na Capital - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, sábado, 13 de julho de 2024


Impulsionada por alta da inflação, desaprovação de Lula chega a 58% na Capital

Impulsionada por alta da inflação, desaprovação de Lula chega a 58% na Capital

Publicado em: 13/06/2024 às 09h00

Richelieu de Carlo

Desaprovação ao governo Lula segue em tendência de alta. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Ao mesmo tempo em que o índice oficial de inflação teve aumento em Campo Grande, a desaprovação ao governo Lula da SILVA (PT-SP) voltou a subir entre os eleitores da Capital, segundo pesquisa do Instituto Ranking Brasil Inteligência. Nem a visita em abril foi capaz de reverter a rejeição ao petista.

O levantamento foi divulgado na segunda-feira (10.06), um dia antes de o IBGE anunciar que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de maio em Campo Grande foi de 0,42%, cerca de 0,06 pontos percentuais a mais do que em abril, o 10º mês consecutivo de alta.

A percepção dos brasileiros sobre os preços, principalmente alimentos, tem sido apontada como um dos principais fatores que comprometem a aprovação do presidente Lula.

O Instituto Ranking perguntou a 2 mil eleitores, entre os dias 4 e 9 de junho deste ano, se eles aprovam ou desaprovam a gestão petista. O índice de confiança é de 95% e a margem de erro máxima estimada, de 2,20% para mais ou para menos.

Entre os entrevistados, 58% responderam que desaprovam Lula, um aumento frente aos 54% registrados em maio. Apenas 38% disseram que aprovam, sendo que anteriormente o percentual foi 42%; enquanto 4% não sabem ou não responderam, índice que não teve alteração.

Dos que desaprovam, 40% consideram a gestão do petista ruim ou péssima, sendo que nas pesquisas anteriores realizadas em janeiro, março, abril e maio os percentuais foram 30%, 33%, 34% e 36%, respectivamente.

Além disso, 29% dos entrevistados disseram que a administração do presidente Lula é regular, sendo que nas anteriores os percentuais foram de 33%, 30,7%, 32% e 31%.

Apenas 29% dos entrevistados consideram a administração boa ou ótima sendo que nas anteriores os percentuais foram 32%, 31,5%, 30% e 29%, respectivamente. Já 4% dos entrevistados não sabem ou não quiseram opinar.