Coronel do Exército investigado sobre o golpe retorna dos EUA foi preso em Brasília - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, domingo, 3 de março de 2024


Coronel do Exército investigado sobre o golpe retorna dos EUA foi preso em Brasília

Corrêa foi alvo de prisão após a Polícia Federal encontrar mensagens trocadas com Mauro Cid

Publicado em: 12/02/2024 às 05h20

Folhapress

O coronel do Exército Bernardo Romão Corrêa Neto, um dos alvos dos mandados do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes na operação da Polícia Federal deflagrada na quinta-feira (08.02), foi preso na madrugada de domingo (11.02) ao desembarcar em Brasília.

Ele estava em missão nos Estados Unidos prevista para durar até 2025. Corrêa Neto está preso no Batalhão da Guarda Presidencial e passou por audiência de custódia às 11h. Na audiência de custódia, o preso é ouvido por um juiz para que sejam avaliadas eventuais ilegalidades na prisão.

Corrêa foi alvo de prisão após a Polícia Federal encontrar mensagens trocadas com Mauro Cid, que foi ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), sob suspeita de participarem da preparação para a tentativa de um golpe de Estado.

Ele falava com Cid sobre o planejamento e os desdobramentos da minuta do golpe. Os outros alvos de mandados de prisão já estão presos e passaram por audiências de custódia na sexta-feira (09.02).

São os militares Marcelo Câmara e Rafael Martins, o Joe. Câmara foi ouvido no Batalhão da Guarda Presidencial e Martins no Comando da Artilharia Divisionária da Divisão do Exército.

Também houve a audiência de Filipe Martins, que foi assessor para assuntos internacionais de Bolsonaro. Ele foi ouvido na sede da Polícia Federal do Paraná.

Além deles, também foi preso o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, em flagrante, por posse ilegal de arma e também pela posse de uma pepita de ouro. Moraes concedeu liberdade provisória a Valdemar no sábado (10.02).

Moraes levou em conta argumentos da PGR (Procuradoria-Geral da República) pela liberdade provisória do investigado. O magistrado considerou ainda o fato de que o político tem idade avançada, 74 anos, e afirmou que o caso não envolveu violência ou grave ameaça.