Braga Netto será o vice de Bolsonaro: quem é ele e como ajudará na campanha - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quarta-feira, 10 de agosto de 2022


Braga Netto será o vice de Bolsonaro: quem é ele e como ajudará na campanha

Braga Netto é confirmado como vice de Bolsonaro: quem é ele e como ajudará na campanha

Publicado em: 25/07/2022 às 05h21

Agência Brasil

O general Braga Netto foi confirmado no domingo (24.07), durante convenção nacional do PL, como candidato a vice na chapa de reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Trata-se de uma vitória pessoal de Bolsonaro sobre seu núcleo político. E a despeito da posição de aliados que queriam um nome político que pudesse agregar votos, a expectativa do presidente é que Braga Netto possa ajudar a agregar votos no Centro-Sul do país, especialmente no Sudeste.

A pedido do próprio Bolsonaro, o general tem auxiliado o presidente em interlocução com empresários e políticos no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. No início de junho, ele cumpriu agenda com industriais na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e com prefeitos na Associação Mineira de Municípios (AMM). Recentemente, também se reuniu com empresários na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

No Palácio do Planalto, apoiadores de Braga Netto destacam que o setor agropecuário preferia o militar como vice à deputada federal Tereza Cristina (PP-MS), ex-ministra da Agricultura, que teve seu nome cotado a vice, principalmente por aliados do Centrão. O entendimento é de que Braga Netto como vice abriria espaço para Tereza voltar ao ministério caso Bolsonaro seja reeleito.

Além disso, Braga Netto também é visto como alguém engajado com a agenda da defesa e segurança pública – o que pode agregar eleitores preocupados com a violência no país.

A expectativa de Bolsonaro é que Braga Netto possa auxiliá-lo não apenas na interlocução com empresários de diferentes setores da economia — incluindo a indústria e o agronegócio —, mas também com militares de Norte a Sul do país e inclusive com políticos. Entende-se no governo que o general é bem avaliado por alguns prefeitos desde quando ocupou a Casa Civil e atuou na coordenação do comitê de crise que combateu a pandemia da Covid-19.

Pelo retrospecto político dos cargos exercidos por Braga Netto, Bolsonaro, alguns interlocutores no Planalto e aliados da ala mais ideológica da base governista têm a percepção de que o militar possa ser um ativo importante para a campanha. A expectativa entre eles é de que o general possa surpreender e se mostrar um "puxador de votos" pela experiência dele no

Planalto e como ministro da Defesa

Nas conversas com seu núcleo político para definir o vice, Bolsonaro disse que não apenas desejava Braga Netto como vice, mas também queria que Tereza Cristina se candidatasse ao Senado. O governo enfrenta mais dificuldades de aprovar seus projetos no Senado do que na Câmara, e eleger senadores virou uma das prioridades do presidente para ter uma base aliada mais forte caso se reeleja.

Apesar disso, o entendimento de aliados políticos, especialmente os do Centrão, é de que Braga Netto não teria o mesmo potencial que Tereza Cristina para conquistar determinados nichos do eleitorado, como o feminino, nem para conquistar votos em algumas regiões que poderiam ser atingidas por um político.

O que faz Braga Netto e o levou a ser cotado como vice de Bolsonaro

Despois de deixar o Ministério, Braga Netto trabalhou como assessor especial do gabinete pessoal da Presidência da República – entre abril e junho.

Além disso, o general atua na coordenação da campanha e na confecção da proposta do plano de governo juntamente com os principais integrantes do núcleo político: o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto; o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, presidente licenciado do PP; e o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), líder do partido no Senado.

Os mais próximos de Braga Netto no Planalto afirmam que o ele trabalha sem gerar atritos e sem intenções de buscar protagonismo. Seus interlocutores sustentam que ele agrega conhecimento das "realidades do país" com sua capacidade de coordenação e valores dos tempos do Exército.

Braga Netto, quando esteve no governo, trabalhou muito próximo de Bolsonaro. Ele era recebido todos os dias pela manhã pelo presidente e também os dois costumavam almoçar juntos.

Agora, na condição de candidato a vice, a previsão é de que o militar auxilie Bolsonaro na interlocução política na região Centro-Sul, onde Lula concentra seus esforços para vencer as eleições.

Além de identificar em Braga Netto alguém com qualidades para coordenar e dialogar, Bolsonaro também o escolheu por ser alguém discreto, leal e alinhado. O militar agrega, ainda, outro perfil desejado: o de ser um general quatro estrelas do Exército. Alguém da cúpula das Forças Armadas costuma ser visto na política como um "seguro" contra um possível processo de impeachment de Bolsonaro – os congressistas teriam receio de colocar um general na Presidência.

Desde o início do ano, Braga Netto era quem Bolsonaro queria escolher como vice. O próprio presidente sinalizou isso em março, quando disse que não estava preocupado em escolher um vice "para ajudar a ganhar a eleição, mas, sim, para governar o Brasil". "Eu tenho de ter um vice que não tenha ambições de assumir a minha cadeira ao longo do mandato", disse.