Arrecadação federal bate recorde e chega a R$ 165,33 bilhões em Maio - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 30 de junho de 2022


Arrecadação federal bate recorde e chega a R$ 165,33 bilhões em Maio

Com o desempenho do último mês, o recolhimento no ano atingiu a marca de R$ 908,551 bilhões, um crescimento de 9,75%, também o melhor desempenho para o período

Publicado em: 23/06/2022 às 15h53

Rafaela Gonçalves

A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 165,333 bilhões em maio, de acordo com a Receita Federal do Brasil. O montante representa um aumento real de 4,13% em relação ao mesmo mês do ano anterior, já descontada a inflação do período. O resultado é o melhor para o mês de maio em toda a série histórica, iniciada em 1995. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (23.06) pelo Fisco.

O recolhimento vem batendo recordes desde 2021. Segundo o governo, esse aumento é estrutural, a despeito da preocupação com que alguns analistas veem esse cenário. Com o desempenho do último mês, o recolhimento no ano atingiu a marca de R$ 908,551 bilhões, um crescimento de 9,75%, também o melhor desempenho para o período.

O cenário tem sustentado medidas para reduzir alguns tributos, como as rodadas de cortes na alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto de Importação (II). Em outra frente, para tentar brecar o avanço dos preços dos combustíveis, o governo zerou PIS e Cofins do diesel e gás de cozinha até o final do ano e pretende estender a ação para a gasolina, etanol e gás natural.

As desonerações, que é quanto o governo deixou de arrecadar, resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 39,630 bilhões nos cinco primeiros meses deste ano, valor maior do que em igual período do ano passado, quando ficou em R$ 31,753 bilhões. Apenas em maio, as desonerações totalizaram R$ 10,138 bilhões, também acima do registrado no mesmo mês do ano passado (R$ 7,271 bilhões).

Destaques de maio

Em maio deste ano, a Receita Previdenciária teve arrecadação de R$ 43,5 bilhões, acréscimo real de 9,4% em relação ao mesmo mês de 2021. Conforme destacado por Claudemir Malaquias na entrevista, esse resultado pode ser explicado pelo aumento real de 7,1% da massa salarial e pelo bom desempenho da arrecadação do Simples Nacional em relação a maio de 2021. Além disso, houve crescimento das compensações tributárias com débitos de receita previdenciária em razão da Lei 13.670/18, que alterou a legislação quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta.

Já o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) - Rendimentos de Capital teve arrecadação de R$ 5,8 bilhões, com acréscimo real de 59,48%, resultado explicado pelos acréscimos nominais de 292,9% na arrecadação do item “Fundos de Renda Fixa”, e de 159,0% na arrecadação do item “Aplicação de Renda Fixa (PF e PJ)”. O PIS/Pasep e a Cofins, por sua vez, apresentaram no conjunto uma arrecadação de R$ 32,3 bilhões, representando crescimento real de 5,7%.

Acumulado de janeiro a maio

No período acumulado de janeiro a maio de 2022, o IRPJ e a CSLL totalizaram arrecadação de R$ 222, 7 bilhões, com crescimento real de 19,4%. A Receita informou que esse desempenho é explicado pelos acréscimos de 83,2% na arrecadação relativa à declaração de ajuste do IRPJ e da CSLL e ao acréscimo de 14,4 % na arrecadação da estimativa mensal. Todas as modalidades de apuração do lucro tiveram crescimento. Claudemir Malaquias comentou que, além disso, foram registrados recolhimentos atípicos da ordem de R$ 20 bilhões, especialmente por empresas ligadas à exploração de commodities, entre janeiro e maio de 2022, e de R$ 16 bilhões no mesmo período de 2021.

A Receita Previdenciária teve arrecadação de R$ 215,2 bilhões, um acréscimo real de 5,6%, decorrência do aumento real de 13,0% da massa salarial e pelo aumento real de 30,9% na arrecadação da contribuição previdenciária do Simples Nacional de janeiro a maio de 2022 em relação ao mesmo período de 2021. Houve ainda crescimento das compensações tributárias com débitos de receita previdenciária em razão da Lei 13.670/18.

O IRRF - Rendimentos de Capital teve, no período, arrecadação de R$ 28,4 bilhões, com acréscimo real de 48,9%, resultado dos acréscimos nominais de 309,9% na arrecadação do item “Fundos de Renda Fixa”, e de 131,6% na arrecadação do item “Aplicação de Renda Fixa (PF e PJ)”.