Apresentador de TV Marcos Mion se revolta com decisão na cobertura de planos de saúde - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, domingo, 3 de julho de 2022


Apresentador de TV Marcos Mion se revolta com decisão na cobertura de planos de saúde

No Instagram, o apresentador do Caldeirão falou da revolta com a decisão do Superior Tribunal de Justiça e citou os nomes dos magistrados que votaram a favor das operadoras de planos de saúde

Publicado em: 10/06/2022 às 05h30

Naum Giló

Na quarta-feira (08.06), o ator e apresentador Marcos Mion, cujo um dos filhos, Romeo, tem autismo, usou o Instagram para expressar, por vídeo, a insatisfação com a decisão do Superior Tribunal de Justiça que limitou os procedimentos cobertos pelas operadoras de planos de saúde. “Desacreditado, desolado com as notícias que a gente recebeu sobre rol taxativo”, começa o desabafo.

“É muito triste, eu sinto uma revolta, cara. Revoltado com esse absurdo, que é o rol taxativo, tenha sido aprovado por seis votos no STJ. Eu não consigo pensar em uma justificativa digna e honrável para votar a favor disso”, continuou o apresentador do Caldeirão, que destacou a opinião pública e o desespero de milhões de família de autistas, pessoas com deficiência, que enfrentam câncer e que pagam planos de saúde, que, segundo ele, não foram levadas em conta. “O dinheiro venceu mais uma vez, foi colocado acima das nossas necessidades, acima das nossas vidas”.

Na publicação, Mion fez questão de deixar o seu repúdio completo ao rol taxativo e citou o nome dos magistrados que votaram a favor e contra à decisão. Ele agradece aos ministros Nancy Andrighi, Tarso Sanseverino e Mauro Ribeiro, que votaram contra. “E não esqueçam também os nomes dos seis ministros que votaram a favor do rol taxativo: Luis Felipe Salomão, Villas Bôas Cuevas, Raul Araújo, Isabel Gallotti, Marco Buzzi e Marco Aurélio Bellizze”, enumerou o artista.

“Por mais que eles tenham dito que essa aprovação do rol taxativo foi feita com algumas ressalvas, que tenham exceções, que é possível comprovar em juízo a necessidade do procedimento ou tratamento pedido pelo médico, é óbvio que o que já era difícil vai ficar ainda mais difícil. Essa decisão do STJ coloca nas mãos dos advogados dos planos de saúde uma excelente justificativa para que eles possam negar os pedidos usando a lei. Um argumento usado é que as coisas vão continuar iguais. Ué? Então, para que mudar? É óbvio que tem coisa nas entrelinhas, né?”, questionou Marcos Mion.

Ele concluiu o vídeo desejando força e união a todos que foram atingidos pela decisão. “Os que choraram com essa decisão, como as milhões de famílias que fazem parte da comunidade autista, eu choro junto com vocês. Sintam-se abraçados e lembrem-se que a luta não para e as vitórias virão”.

Entenda a decisão do STJ

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, quarta-feira (08.06), que o rol de procedimentos listados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para a cobertura dos planos de saúde é taxativo. Isso significa que as operadores são obrigadas a cobrir apenas os itens da relação. Especialistas defendem a decisão, argumentando que ela oferece segurança jurídica aos planos, enquanto entidades formadas por usuários dizem que tratamentos estão em risco.