Após Zé Neto, criticar Anitta e a lei Rouanet, jornalista mostra grandes contratos da dupla - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 30 de junho de 2022


Após Zé Neto, criticar Anitta e a lei Rouanet, jornalista mostra grandes contratos da dupla

Após Zé neto, criticar Anita e a lei Rouanet, jornalista mostra contratos que a dupla recebeu de pequenas prefeituras

Publicado em: 16/05/2022 às 10h41

Redação Ninja

Uma polêmica envolvendo o cantor Zé Neto, da dupla com Cristiano, vem tomando a web após críticas do sertanejo aos artistas que dependem da Lei Rouanet com alfinetadas ofensivas a Anitta. Na tarde de sábado (14.05), o jornalista Demétrio Vecchioli expôs uma série de valores que a dupla recebeu de prefeituras de cidades do interior brasileiro sem licitação.

Usuários na internet apontam hipocrisia do cantor, que recebeu valores de até R$ 400 mil de dinheiro público, da cidade de Sorriso (MT). A crítica de Zé Neto foi feita na última quinta-feira (12.05), em um show na cidade de Sorriso, em Mato Grosso. Ele apoiou a decisão do presidente Bolsonaro de vetar a lei que repassa verbas ao setor da cultura.

Nós somos artistas e não dependemos de Lei Rouanet, nosso cachê quem paga é o povo. A gente não precisa fazer tatuagem no ‘toba’ para mostrar se a gente está bem ou não. A gente simplesmente vem aqui e canta e o Brasil inteiro canta com a gente”, disse o cantor Zé Neto.

Justamente em Sorriso, um contrato com a prefeitura comprovou o repasse público de R$ 400 mil à dupla. O jornalista Demétrio Vecchioli publicou no sábado, por meio de seu perfil oficial no Twitter, este e outros contratos que ele afirma ter encontrado no Google. Os prints revelam valores de R$ 250 mil de Itabaiana (SP), R$ 253 mil de Colina (SP), R$ 320 mil em Uruana (GO), entre outros. Somados, alguns desses valores chegam a R$ 3 milhões.

 

 

É errado receber dinheiro público pra fazer show? Não é. É lazer pra população. Mas, se for falar contra a Rouanet, então abre mão dessa grana. Se não é demagogia”, escreveu Demétrio.

O jornalista explica ainda a diferença no repasse de verbas públicas no caso da Lei Rouanet, quando artistas concorrem em edital público, após apontarem três orçamentos e, caso aprovados, são autorizados a pedir doações de empresas privadas. O valor pago pela Lei Rouanet aos artistas vem da dedução de impostos das empresas. No caso de Zé Neto e Cristiano, as prefeituras pagaram por inexigibilidade, quando a lei prevê contratos diretos sem licitação.