'Revogaços' do PT causam apreensão em Geraldo Alckmin (ex-PSDB) - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, sábado, 29 de janeiro de 2022


'Revogaços' do PT causam apreensão em Geraldo Alckmin (ex-PSDB)

Cotado para chapa com Lula visando as eleições deste ano, Alckmin teme que o petista, se eleito, reveja uma série de leis, principalmente, a reforma trabalhista

Publicado em: 11/01/2022 às 07h25

Raphael Felice - Luana Patriolino

O flerte entre o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva corre o risco de não se concretizar numa chapa para as eleições deste ano. O ponto de discórdia está no fato de o petista e de outras lideranças do partido defenderem a revogação da reforma trabalhista, em vigência desde o governo Michel Temer.

A intenção da cúpula do PT pode afastar Lula do centro político. Diante da situação, Alckmin demonstrou preocupação com o posicionamento do ex-presidente e já conversa com outras legendas sobre o seu futuro. Ao mesmo tempo, adversários de Lula levantam temor de mudanças bruscas na política econômica num eventual governo do PT.

O plano de Lula se aproximar de políticos e partidos fora da esquerda faz parte de uma estratégia para tentar liquidar as próximas eleições ainda no primeiro turno, possibilidade mostrada em pesquisas eleitorais. No entanto, nos últimos dias, integrantes do PT, como a presidente do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PR), defenderam nas redes sociais a completa revogação da reforma trabalhista.

"Está na hora de revogar o que deu errado: Lei do Teto, a reforma que não gerou empregos, política de preços dos combustíveis. Deter a privatização selvagem e rever os contratos lesivos ao país", declarou a parlamentar.

A preocupação com esses temas foi expressada por Alckmin ao presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, durante café da manhã entre os dois ontem, na capital paulista. O sindicalista aproveitou a ocasião para convidar o ex-tucano a se filiar à legenda. Segundo o político, o tema já tinha sido abordado antes e, agora, "é só aguardar".