Como a tecnologia alterou a experiência universitária, desde antigamente até hoje - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 18 de agosto de 2022


Como a tecnologia alterou a experiência universitária, desde antigamente até hoje

Como a tecnologia alterou a experiência universitária, desde antigamente até hoje

Publicado em: 01/01/2022 às 09h00


É difícil encontrar hoje uma única esfera da realidade que não tenha sido radicalmente alterada pela internet e pelos tantos aparelhos e novas tecnologias que a acompanharam. Essa revolução é representada pela velocidade e facilidade com que hoje temos acesso ao bem mais valioso da atualidade: a informação. Se conhecimento é palavra essencial para medir esse impacto, é também a chave para pensarmos quanto as tecnologias alteraram a realidade de quem ingressa hoje em uma universidade, se compararmos ao passado.

A pandemia tornou essa transformação ainda mais clara e presente, com a tecnologia e a internet permitindo a necessária migração das aulas e atividades para o modo remoto. Assim, desde o ingresso nas instituições, passando pelo próprio processo de estudo e chegando à apresentação de trabalhos propriamente, tudo hoje passa pela rede, e pelos nossos smartphones e computadores. Espanta lembrar como era a vida dos estudantes antes da internet, e perceber o quanto as novidades tecnológicas mudaram pra sempre – e pra melhor – a vida de quem ingressa em uma instituição de ensino superior.

Desde a escolha da universidade


As transformações começam antes mesmo do aluno ou aluna entrar na faculdade. Antigamente, a escolha por uma universidade se dava não através do acesso imediato a um site, que apresenta em detalhes os programas, os cursos, os custos e o próprio campus – o jovem ou a jovem que fossem prestar o bom e velho vestibular colecionavam folhetos impressos, e tinham de ir até a universidade se quisessem realmente saber como era o ambiente onde possivelmente passariam os próximos anos. Engana-se quem pensa que estamos falando de um passado muito distante: a realidade universitária era bastante diferente até o final dos anos 1990 e mesmo no início dos anos 2000.

E se uma pesquisa bem-feita é determinante para todo estudo, hoje não se trata de somente saber pesquisar, mas também de possuir as melhores ferramentas para as buscas. Há poucos anos, os smartphones simplesmente não existiam, e muitas casas sequer possuíam computadores – ou dividiam um único aparelho entre todos os familiares. Nas universidades não era diferente: o único acesso garantido à internet se dava através de uma sala repleta de computadores, que eram divididos pacientemente entre os alunos – além, é claro, da boa e velha biblioteca de livros impressos para a realização das pesquisas, que hoje fazemos em um segundo.

 

estudantes com smartphones

 

Wikipedia sequer existia

Vale lembrar que também não existiam (ou não funcionavam como hoje) as mais importantes ferramentas de pesquisa da atualidade: os tantos dicionários virtuais, as infinitas bibliotecas e enciclopédias virtuais são invenções recentes – a Wikipedia, por exemplo, foi fundada em 2001, mas somente começou a alcançar credibilidade, funcionalidade e conteúdo vasto e de qualidade mais de 10 anos depois, em meados dos anos 2010, enquanto o Google era somente uma plataforma de buscas, e não respondia a toda e qualquer pergunta. O impacto tecnológico sobre o caminho universitário vai até a conclusão dos cursos, especialmente no contexto da pandemia, quando apresentações finais, defesas de TCC, de mestrado e mesmo de doutorado passaram a acontecer remotamente, através de nossos computadores e smartphones.

Não é exagero afirmar que hoje a tecnologia é um dos alicerces da educação e da excelência universitária em todo o mundo. Foi sabendo dessa importância, que a Samsung criou um verdadeiro programa para estudantes no Brasil. Em um momento de dificuldades e alta evasão escolar, através da Loja Oficial para Estudantes, a Samsung oferece descontos fundamentais para que cada estudante possa adquirir, a preços acessíveis, aparelhos de alta performance, capazes de aprimorar as pesquisas e trabalhos, mas também as experiências humanas e cotidianas de quem ingressa em uma universidade hoje visando um melhor amanhã.

 

jovens com smartphones

 

Pois, se quase tudo mudou, algumas coisas não se alteram jamais: a animação diante do futuro, das possibilidades, dos novos amigos, amores, interesses e conhecimentos que irão, hoje, formar o futuro por vir.