Boeing recebeu 4.000 peças com defeito de fornecedor italiano, concluem promotores - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 18 de agosto de 2022


Boeing recebeu 4.000 peças com defeito de fornecedor italiano, concluem promotores

Boeing recebeu 4.000 peças com defeito de fornecedor italiano, concluem promotores

Publicado em: 23/12/2021 às 09h20


Durante cinco anos, a Boeing recebeu mais de 4.000 peças fora das especificações de um fornecedor italiano, revelam os resultados da investigação iniciada no começo desse ano pela promotoria italiana, relata a agência de notícias Reuters.

A empresa em questão é a Manufacturing Process Specification (MPS), responsável por peças que eram usadas nas seções de fuselagem 44 e 46, as quais eram posteriormente montadas pela Leonardo, antes de serem enviadas à Boeing.

De acordo com o relatório, ao qual a Reuters teve acesso, as peças suspeitas de titânio chegaram a ser instaladas em 35 fuselagens do Boeing 787. O processo investigativo também visa determinar se tais peças poderiam comprometer a segurança das aeronaves.

A Boeing não comentou o relatório atual, mas, em outubro, disse que algumas peças do 787 fornecidas pela MPS foram fabricadas incorretamente nos três anos anteriores, mas que houve uma remediação antes de colocar as aeronaves para voar. Por conta disso, a fabricante disse que, embora esteja avaliando o processo, isso não representa uma preocupação imediata para a segurança do modelo.

Oito indivíduos, incluindo o ex-chefe do MPS e o ex-chefe do Processi Speciali, estão sob investigação por fraude e ações que ameaçam a segurança do transporte aéreo.

MOLDURA DA PORTA

O relatório surgiu dias depois que promotores italianos ordenaram a apreensão de componentes destinados aos Boeing 787 de uma fábrica da Leonardo em Grottaglie, sul da Itália. A MPS era um subfornecedor até este ano de duas seções da fuselagem do 787 feitas por Leonardo, conhecidas como seções 44 e 46.

No relatório, o Ministério Público alegou que a MPS ou a Processi Speciali fabricaram 4.189 peças em "titânio e alumínio de qualidade e origem diferentes" das encomendadas pelo cliente, infringindo as especificações técnicas pertinentes. Em particular, eles disseram que produziu componentes usando o chamado 'titânio grau 2' em vez de uma liga de titânio, eles disseram, acrescentando que o metal usado tinha "propriedades de resistência mecânica e estrutural muito inferiores às da liga".

As partes afetadas incluíam um clipe para o batente da porta de carga do lado esquerdo do 787, disse o documento. Ele não forneceu detalhes de quaisquer peças suspeitas feitas para o 767 mais antigo.

Os promotores alegam que a MPS escolheu metais não conformes mais baratos para economizar custos e acelerar a produção, resultando em uma redução das margens adicionais embutidas no projeto para garantir a segurança.

Oito indivíduos, incluindo o ex-chefe do MPS e o ex-chefe do Processi Speciali, estão sob investigação por fraude e ações que ameaçam a segurança do transporte aéreo.

Os promotores disseram que as duas empresas também estão sob investigação. Leonardo, que ingressou com uma ação judicial em 7 de dezembro, é visto pelos promotores como a parte lesada.

Os ativos e a fábrica do MPS serão colocados à venda no início do próximo ano, quando seu antecessor Processi Speciali está sendo liquidado, mostrou outro documento judicial visto pela Reuters. Os administradores das empresas não responderam a um pedido de comentários.

Os promotores disseram no sábado que as descobertas iniciais sugeriam que o MPS e o Processi Speciali usavam metais não conformes e violavam as especificações técnicas. Eles não responderam ao pedido da Reuters para comentar os detalhes de seu relatório preliminar.