Italiano de 57 anos tenta se vacinar contra a Covid-19 com falso braço de silicone - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, sábado, 29 de janeiro de 2022


Italiano de 57 anos tenta se vacinar contra a Covid-19 com falso braço de silicone

A prótese estava muito bem feita, mas a cor e a sensação do tato imediatamente geraram suspeitas na enfermeira encarregada de aplicar a vacina nele.

Publicado em: 05/12/2021 às 07h27

Corriere della Sera

Um dentista na Itália enfrenta possíveis acusações criminais após tentar receber uma vacina contra o coronavírus em um braço falso feito de silicone. Uma enfermeira na cidade de Biella, Filippa Bua, disse que percebeu imediatamente que algo estava errado quando um homem apresentou o membro falso para uma aplicação na quinta-feira.

Um italiano de 57 anos, da região de Piemonte, que queria obter o passaporte anticovid sem se vacinar, tentou em vão receber a vacina em um braço falso de silicone, informaram as autoridades locais nesta sexta-feira.

"O caso beiraria o ridículo se não estivéssemos falando de um gesto de enorme gravidade, inaceitável diante do sacrifício que a pandemia está fazendo toda a nossa comunidade pagar, em termos de vidas humanas e custos sociais e econômicos", lamentou no Facebook o governador da região de Piemonte (noroeste), Alberto Cirio.

O homem em questão se apresentou na quinta-feira à noite em um centro de vacinas da cidade de Biella,em Piamonte, com a ideia de enganar os profissionais da saúde. A prótese estava muito bem feita, mas a cor e a sensação do tato imediatamente geraram suspeitas na enfermeira encarregada de aplicar a vacina nele, que lhe pediu que tirasse a camisa, descobrindo sua tática.

Depois, ele pediu à enfermeira que agisse como se não tivesse visto nada, o que ela se recusou a fazer e avisou aos seus colegas, que ficaram pasmos. "Terá que responder na Justiça", afirmou o governador Cirio.

Quando descobri o braço, senti a pele fria e pegajosa e a cor muito clara'', disse Bua ao jornal italiano Corriere della Sera.

Ela disse que inicialmente pensou que o homem de 57 anos era um amputado e havia oferecido o braço errado por engano. Ela levantou a camisa dele e viu um braço de silicone.

“Percebi imediatamente que o homem estava tentando evitar a vacinação usando uma prótese de silicone, na qual esperava que eu injetasse a droga, sem saber", disse Bua.

A enfermeira disse que o homem reconheceu que não queria uma vacina, mas sim obter um “super” passe de saúde, que a partir de segunda-feira será necessário para entrar em restaurantes, cinemas, teatros e outros locais da Itália. Ele já havia sido suspenso do trabalho por causa de sua recusa em ser vacinado, que a Itália exige para o pessoal médico. A enfermeira disse que o homem foi cortês e deixou o centro de vacinação após o fracasso da tentativa.

“Paramos e refletimos, e entendemos que esta não era apenas uma situação surreal, mas uma tentativa real de fraude '', disse Bua. Ela e outras pessoas no local de vacinação entregaram a papelada aos superiores para que relatassem o caso, que foi entregue aos promotores.

Embora a taxa de vacinação da Itália seja relativamente alta, com 85% da população atualmente elegível com 12 anos ou mais, pessoas na faixa de 30 a 59 anos provaram ser as mais resistentes às vacinações, com quase 3,5 milhões ainda sem terem recebido as primeiras doses.