Papa Francisco visita Chipre e Grécia e mostra preocupação com migrantes - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, sábado, 29 de janeiro de 2022


Papa Francisco visita Chipre e Grécia e mostra preocupação com migrantes

Migrantes que chegam a ilha de Chipre aumentaram 38%

Publicado em: 02/12/2021 às 07h48

Agência Brasil

O papa Francisco, que inicia na terça-feira (02.12) viagem ao Chipre e à Grécia, pretende apelar à situação dos migrantes nas fronteiras da Europa e contrariar a relutância dos países sobre a entrada de pessoas, apesar dos apelos do Vaticano.

O número de migrantes que chega ao Chipre aumentou 38% nos primeiros dez meses do ano, em comparação com 2020. O papa deve abordar a questão da migração, assim como da divisão do Chipre, quando chegar hoje à Nicósia para a primeira etapa de uma visita de cinco dias.

A viagem também prevê uma visita à ilha grega de Lesbos que o papa já visitou em 2016 tendo, na época, promovido a transferência, por meio do Vaticano, de um grupo de refugiados sírios. O papa Francisco vai organizar uma nova transferência de migrantes esta semana: cerca de 50 que se encontram no Chipre foram identificados e vão viajar para a Itália, disseram autoridades cipriotas.

O Vaticano não descartou que "alguns migrantes" que se encontram em Lesbos também possam ser transferidos para a Itália após a visita do papa. Na cidade de Nicósia, Francisco vai permanecer na Nunciatura Apostólica, localizada na zona tampão controlada pelas Nações Unidas. A ilha de Chipre encontra-se dividida desde a invasão da Turquia em 1974, sendo que apenas o governo de Ancara reconhece a República Turca do Chipre do Norte.

Em mensagem divulgada hoje e que marca os 70 anos da Organização Internacional das Migrações, o papa insistiu que os refugiados são pessoas que merecem tratamento digno, tendo se referido igualmente à situação dos migrantes que se encontram nas fronteiras entre a Bielorrússia e a União Europeia.

"O debate sobre a migração, na realidade, não é sobre os migrantes", disse Francisco. "É lamentável o fato de os migrantes estarem sendo usados como moeda de troca, como peões num tabuleiro de xadrez, vítimas de rivalidades políticas", acrescentou.