Quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Polícia francesa prende nove suspeitos por morte de professor, por muçulmanos

Crime é investigado como terrorismo; além dos presos, o homem que teria decapitado o professor foi morto

Publicado em: 18/10/2020 às 08h14


A polícia francesa já prendeu nove suspeitos de terem participado do assassinato de um professor que mostrou uma caricatura de Maomé a seus alunos. O homem apontado como a pessoa que decapitou o docente foi morto pela polícia. O caso é tratado como terrorismo.

O homem apontado como autor do crime é um russo de 18 anos. Ao ser abordado, por volta das 20h (hora local), ele vestia um colete de explosivos e demonstrava atitude ameaçadora, de acordo com a polícia, que acabou por matá-lo.

Entre sexta-feira (16.10) e o sábado (17.10), foram presos ao todo nove pessoas. Entre eles, estão dois pais de alunos da escola em que professor dava aulas. O assassinato foi na sexta-feira. O professor foi morto perto da escola, que fica em Conflans-Sainte-Honorine, cidade a 50 km de Paris.

O professor decapitado tinha exibido aos alunos caricaturas do profeta Maomé, durante aula sobre liberdade de expressão. A aula ministrada com caricaturas de Maomé foi alvo de reclamações de um ou mais pais de alunos muçulmanos. Na religião, representações do profeta são vistas como blafêmia.

O presidente da França, Emmanuel Macron, considerou a morte do professor um atentado terrorista. "Um de nossos compatriotas foi assassinado porque ele ensinava seus alunos sobre liberdade expressão, liberdade de crer ou de não crer", afirmou.