Segunda-feira, 19 de outubro de 2020

'Novo normal' aquece o mercado de aluguel por temporada e não hotéis

'Novo normal' aquece mercado de aluguel por temporada

Publicado em: 01/09/2020 às 07h13


Considerado um dos setores mais atingidos na pandemia, o turismo busca forças para se reerguer e se moldar durante as medidas de flexibilização que muitas cidades estão adotando. Com a determinação do isolamento social, muitas pessoas buscaram se refugiar fora das grandes metrópoles. Com isso, o "novo normal" aqueceu o mercado dos aluguéis por temporada. De acordo com dados da maior plataforma on-line desta modalidade, houve aumento de procura de 34% em abril e 42% em maio, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Em tempos de confinamento e quarentena prolongados, o consumidor anseia por estar ao ar livre e em contato com a natureza. Opções de lazer para famílias com crianças estão se fortalecendo como uma oportunidade atrativa para o setor, isso porque o equilíbrio entre home office, as aulas virtuais e demais tarefas de cuidado com a casa vêm gerando um nível de estresse intenso para muitas pessoas.

"Estava muito difícil continuar dentro do apartamento com duas crianças com tanta energia durante tantos meses. Estava afetando o meu rendimento no trabalho e até mesmo o deles nas aulas. Como minha empresa pôde permanecer com o home office e as aulas não tinham previsão de volta, decidimos alugar uma casa em Rio das Ostras, na Região dos Lagos, por um mês. Foi revigorante, voltamos para o apartamento com muito mais garra para enfrentar esse período tão difícil que ainda estamos vivendo", disse a empresária Tânia Garcia.


A Casa da Praia 88, que recebe hóspedes por temporada, como muitos estabelecimentos, passou por um período crítico durante a pandemia. Em março, o local já tinha reservas confirmadas em todos os finais de semana até o mês de maio, que tiveram que ser canceladas. Larissa Lima Dima, proprietária do imóvel, notou uma mudança no perfil de público que passou a procurar os serviços de aluguel por temporada durante a pandemia.

"Antes nossas reservas costumavam ser para grupos grandes e nesse período de pandemia passamos a reservar para famílias com filhos que buscavam espaço para as crianças, quando se viam limitados em apartamento. Os hóspedes se sentem muito confortáveis no nosso ambiente por ser localizado em uma área mais tranquila da Região dos Lagos, com praia praticamente particular em frente. Então conseguem sair um pouco da rotina dentro das possibilidades do 'novo normal' ou aproveitam para trabalhar em um ambiente diferente", contou Larissa.

Para manter a segurança dos hóspedes, o local precisou aumentar a higiene do ambiente e utensílios e adotou um esquema de intervalo entre cada reserva.

"Além disso, antes, nosso caseiro frequentava a casa diariamente para manter a piscina limpa e passou a ser critério do hóspede recebê-lo ou não durante esse período", explicou a proprietária do imóvel.

Segundo Bianca Dramali, professora de pesquisa do comportamento do consumidor da ESPM Rio, o staycation ou turismo de isolamento, deve continuar crescendo de maneira acelerada. Com isso, o turismo interno se firma de acordo com as novas medidas de flexibilização, e pode ser a grande aposta para a retomada gradual do setor.

"Para o consumidor, este tipo de turismo, de deslocamentos mais curtos, antes já conhecido como turismo de escapada, representa uma recarga de energias para continuar enfrentando os desafios que nos foram impostos pela pandemia. Além disso, configura uma alternativa percebida como mais segura de deslocamento, já que pode voltar para casa rapidamente no caso de qualquer imprevisto de saúde, por exemplo. Esta é uma grande oportunidade para que o setor de turismo possa retomar seu lucro. É hora do setor de turismo inovar, proporcionando experiências que quebrem a rotina cansativa do isolamento e quarentena", informou Bianca.

Destinos nacionais - A Confederação Nacional de Municípios (CNM) lançou uma campanha que incentiva a valorização das viagens nacionais, que busca definir um plano estratégico focado na retomada de atividades de lazer e eventos. A campanha também prevê o incentivo à remarcação de viagens e realizações contratadas antes do surgimento do novo coronavírus, como forma de contribuir com as economias locais e a manutenção de empregos. De olho na demanda futura, o projeto envolve ainda a divulgação de atrativos e de espaços de eventos, além de destacar a importância de investimentos públicos em infraestrutura e promoção e da atuação da iniciativa privada.

Bianca Dramali acredita que também há tendência de crescer a procura de hóspedes na rede hoteleira.

"Hotéis e pousadas podem passar a ofertar outros usos de suas estruturas para day use, por exemplo, como opção de pequenas quebras de rotina. Além disso, cresce também a busca pelo room-office, que seria o uso de quartos de hotéis como espaços destinados ao trabalho para aqueles que não encontram em sua residência as condições ideais para tal", disse.

Rafael Ramos, sócio gestor da pousada Recanto da Praia, em Paraty (RJ), notou que a procura por reservas aumentou consideravelmente após as medidas de flexibilização serem adotadas na cidade.