Empresas da bolsa de valores de São Paulo perdem R$ 488 bilhões de valor - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 4 de abril de 2020


Empresas da bolsa de valores de São Paulo perdem R$ 488 bilhões de valor

Mercados voltam a cair em todo o mundo, em mais um dia de nervosismo com o avanço do coronavírus. B3 recua 2,59%. Redução do valor de mercado das empresas chega a R$ 488,9 bilhões em dois pregões. FMI reduz projeção de crescimento global

Publicado em: 28/02/2020 às 06h33

Marina Barbosa

Em novo dia tomado pelo nervosismo, bolsas de valores de todo o mundo voltaram a cair forte, na quinta-feira (27.02), devido ao receios despertados nos investidores pelo avanço do coronavírus. No Brasil, o Ibovespa, que já havia despencado 7% na volta do carnaval, caiu mais 2,59%, elevando para R$ 488,9 bilhões as perdas do valor de mercado das empresas brasileiras listadas na Bolsa de São Paulo (B3). O dólar voltou a subir, mesmo depois de mais uma rodada de intervenções do Banco Central (BC).


A moeda chegou a alcançar R$ 4,50 no fim da manhã, mas cedeu no fim do dia fechando em R$ 4,476 para venda, novo recorde nominal, com alta de 0,76%. Analistas admitem que a tendência é de que a instabilidade continue nos próximos dias, no Brasil e no exterior.


Com as expectativas do mercado conduzidas pelo coronavírus, o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou na quinta-feira (27.02) que vai rever, em abril, a projeção de crescimento da economia mundial neste ano. A previsão de alta do PIB da China, epicentro da epidemia, deve cair de 6% para 5,6%, afetando em cheio a economia global, e, sobretudo a de países emergentes como a do Brasil, que exporta bilhões de dólares em commodities para o mercado chinês e já está vendo as exportações diminuírem. O tamanho da revisão, contudo, ainda está definido, uma vez que ninguém tem noção exata do prejuízo que o coronavírus trará para a economia mundial. Por isso, o clima no mercado é o da incerteza e de aversão ao risco.

“O mercado está cauteloso por conta da incerteza sobre como isso vai se alastrar ao redor do mundo”, disse o analista de ações da Corretora Spiti, Gustavo Almeida, destacando que esse movimento acontece no mundo inteiro. Na quinta-feira (27.02), a Bolsa de Londres caiu 3,5%. Em Paris, a queda foi de 3,3%. E em Frankfurt, de 3,19%. Em Nova Iorque, o Dow Jones caiu mais 4,42%. O Nasdaq e o S&P também derreteram — as quedas foram de 4,61% e 4,42%, respectivamente. Com isso, Wall Street caminha para a pior semana desde a crise financeira de 2008.


Recessão se aproxima


O risco de uma possível recessão global, causada pela epidemia, deixa mais distante o processo de recuperação da economia brasileira. O Bank of America Merrill Lynch, por exemplo, reduziu, nesta quinta-feira (27.02), para 1,9% a projeção de alta do PIB do Brasil em 2020. E o próprio secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, admitiu que o governo também deve precificar esse cenário de desaceleração em algum momento, revendo a previsão de avanço do PIB, hoje de 2,4%.

Com a marca de 102.984 pontos atingida na quinta-feira (27.02), o Ibovespa recuou ao patamar em que estava em outubro do ano passado, e está bem distante dos 115 mil pontos vistos no início deste ano “Aconteceu o chamado pull back, quando a Bolsa bate lá no fundo e tem uma recuperação, mas pode voltar a cair”, contou o economista-chefe do ModalMais, Álvaro Bandeira.


No câmbio, a intervenção do BC — que fez um leilão extraordinário de mais 20 mil contratos de swap cambial, que equivalem à venda futura da moeda — foi insuficiente para barrar a elevação das cotações. Para o CEO da Bluebenx, Roberto Cardassi, o BC poderia ter tido mais sucesso se tivesse atuado de maneira mais incisiva antes desta semana de derretimento das bolsas mundiais. “Não adiantam atuações discretas. Para realmente baixar o dólar, é preciso uma oferta contundente. Mas o Banco Central não parece muito preocupado, e esse patamar alto atende a linha dele”, reforçou o economista da NGO Corretora, Sidnei Nehme. Para ele, o atual patamar do dólar preocupa. “Pode chegar o momento em que comece a impactar na inflação”, afirmou.

Nehme lembrou, ainda, que, como o futuro do coronavírus segue incerto, o movimento de alta do dólar e queda da Bolsa pode continuar. “A maior parte desse risco vem importada. Já o restante se refere às confusões internas do governo e à ausência de reformas”, reforçou Bandeira, indicando que o que pode mudar o rumo de queda do mercado brasileiro é a redução do temor global em relação ao coronavírus ou a sinalização de que o Congresso vai acelerar as reformas econômicas — o que parece ter ficado mais distante depois do mais recente atrito entre o presidente Jair Bolsonaro e o Legislativo.