Servidores devem R$ 222,2 bilhões no crédito consignado, um recorde - Caarapó Online

Caarapó - MS, quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020


Servidores devem R$ 222,2 bilhões no crédito consignado, um recorde

Servidores devem R$ 222,2 bilhões no crédito consignado, um recorde

Publicado em: 06/02/2020 às 08h42

Vicente Nunes

Os servidores públicos não economizaram na hora de fazer dívidas ao longo de 2019. Dados do Banco Central mostram que as dívidas do funcionalismo atingiram R$ 222,2 bilhões somente no crédito consignado, cujas prestações são descontadas no contracheque. Um recorde.


As dívidas dos Servidores públicos no consignado aumentaram R$ 33,6 bilhões no ano passado. Isso significa dizer que eles contrataram R$ 2,8 bilhões em débitos por mês, na média, ou R$ 133,4 milhões por dia útil. O saldo devido aos bancos no consignado cresceu 17,8% em relação a 2018.


Para se ter uma ideia do apetite dos servidores pelo consignado, o aumento das dívidas no ano passado, de R$ 33,6 bilhões, é 46% maior do que todos os débitos dos trabalhadores da iniciativa privada na mesma modalidade de crédito, de R$ 23 bilhões. O que os servidores contrataram em um mês de consignado foi quase todo o aumento do saldo devedor dos trabalhadores do setor privado em 2019: R$ 2,8 bilhões contra R$ 3,4 bilhões.


Setor privado


Segundo os especialistas, essa discrepância ocorre porque os bancos preferem concentrar os empréstimos no serviço público, devido à estabilidade no emprego. Na iniciativa privada, o risco é maior, pois não há restrição para demissões. Nesses casos, o calote é quase certo. O Brasil contabiliza hoje quase 12 milhões de desempregados.


Pelos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem cerca de 11,5 milhões de servidores. Dividindo a dívida do consignado por eles, é como se cada um devesse aos bancos, em média, R$ 19.138. Esse valor corresponde a cinco vezes o salário médio recebido pelo funcionalismo, de R$ 3.716.


Na Esplanada dos Ministérios, são muitos os relatos de superendividamento dos servidores. “Sabemos de colegas que estão passando por sérias dificuldades por causa do excesso de dívidas. Primeiro, começaram com o consignado. Depois, mergulharam no empréstimo pessoal, no cartão de crédito e no cheque especial”, diz uma servidora do Ministério da Economia.


Para ela, o governo deveria controlar melhor o nível de dívidas contraídas pelos servidores. “Infelizmente, no máximo, o governo só consegue saber o que os funcionários públicos devem no consignado, porque isso está registrado nos contracheques. Mas nem isso é olhado com rigor”, acrescenta a mesma servidora.


Casos de depressão


Uma funcionária do Ministério da Cidadania conta que são muitos os casos de depressão dentro do governo por causa do endividamento excessivo. “Nesses casos, as faltas são frequentes. Basta ir às áreas de Recursos Humanos dos ministérios para ouvir relatos de superendividamento de servidores”, afirma.


Um servidor da Polícia Federal ressalta que os problemas de dívidas em excesso são frequentes mesmo entre os servidores que ganham muito bem. “Sei de pessoas que ganham R$ 30 mil por mês, mas devem R$ 700 mil ou mais a bancos. E, nessa conta, não há financiamento da casa própria. Ou seja, é dívida para consumo ou emergências”, frisa.


Na avaliação de educadores financeiros, é preciso muita cautela na hora de se fazer dívidas, mesmo no caso dos servidores, que têm estabilidade no emprego. Os juros no consignado, por exemplo, são, na média, de 21,4% ao ano para o funcionalismo público. Mas nenhuma carreira está tendo aumento salarial nesta proporção.


Os exageros, lembram os especialistas, sempre resultam em calote. Levantamento do professor Ricardo Rocha, do Insper, aponta que o Brasil tem mais de 60 milhões de inadimplentes. Se esse grupo formasse um país, seria maior do que a Espanha ou a Colômbia.