Presidente da Acrissul defende aumento do Fundersul e critica produtores - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 16 de novembro de 2019


Presidente da Acrissul defende aumento do Fundersul e critica produtores

Presidente da Acrissul defende aumento do Fundersul e critica movimento de produtores

Publicado em: 09/11/2019 às 07h47

Edivaldo Bitencourt

Um dos fundadores do PSDB, o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Jonatan Pereira Barbosa, saiu em defesa do aumento do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento Rodoviário) sobre o negócio. Em nota, ele criticou o movimento dos ruralistas contra o aumento de até 71% na taxa do fundo.


A manifestação da entidade passou a ser o primeiro apoio expressivo ao aumento da carga tributária proposto pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que já tinha feito fama no primeiro mandato ao elevar o valor do IPVA em 40%. Agora, além do Fundersul, ele pretende aumentar o ICMS sobre a gasolina de 25% para 30%.


Um dos líderes do movimento independente contra a proposta do Governo Estadual é o ex-presidente da Acrissul, Chico Maia. “É um reajuste significativo”, ressaltou. Para Maia, Reinaldo está na contramão do Brasil, principalmente, ao propor o aumento na carga tributária no momento em que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) propõe a extinção dos fundos.


Outro ponto destaco pelo dirigente é que a tributação subirá justamente no momento em que a pecuária recupera o preço no mercado. O preço da arroba do boi teria ficado seis anos sem reajuste. Chico Maia estima que o projeto elevará a tributação do Fundersul sobre a pecuária em 40%.


Para minimizar o movimento de pecuaristas e agricultores, Jonatan Pereira Barbosa emitiu nota, na sexta-feira (08.11), para defender o projeto tucano. “O Governo do Estado, em diálogos mantidos com este representante da entidade, esclareceu que mais de 50% da arrecadação futura do Fundersul virá do ICMS cobrado sobre os combustíveis, que faz parte da formação da receita do fundo rodoviário”, afirmou, sem citar o aumento no valor cobrado sobre o boi, grãos e madeira.


J. Barbosa não só ignora o aumento do valor cobrado da própria categoria, como faz loas aos benefícios previstos com o aumento na arrecadação do fundo. “A previsão futura para execução de obras da cota-Fundersul inclui o asfaltamento geral de 800 quilômetros de rodovias, reparos e edificações em 500 pontes, construção de mais de uma centena de pontes de concreto e cascalhamento de outros 300 km de estradas no Pantanal”, enalteceu.


O presidente da Acrissul até defendeu a destinação de quase metade dos recursos do fundo para obras de manutenção e pavimentação de vias urbanas. “A vinculação da origem dos recursos com o destino justifica a aplicação do Fundersul em obras de pavimentação urbana, em vista de que mais de 50% da formação da verba do fundo, como esclarecido, provém de ICMS sobre os combustíveis”, justificou.


Com a mudança nas alíquotas, valor cobrado vai ficar até 71% maior

 

TIPO HOJE PROPOSTA AUMENTO
Milho R$ 5,15/ton R$ 7,51/ton 45,90%
Arroz R$ 8,32/ton R$ 12,48/ton 50,00%
SOJA R$ 10,55/ton R$ 15,03/ton 42,40%
Algodão R$ 29,69/ton R$ 44,49/ton 49,80%
Cana R$ 0,82/ton R$ 1,24/ton 51,20%
Madeira R$ 1,12/ton R$ 1,56/ton 39,20%
  BOVINOS    
Macho  até 12 meses R$ 11,56/anim 31,80%
Macho acima de 24m R$ 22,83/anim 71,00%

 

Protesto e a audiência pública


Um protesto estava previsto para acontecer na ALMS nesta sexta, tanto que houve reforço da segurança, com policiais militares e equipe da própria Assembleia em ação. Quatro unidade da cavalaria também foram destacados e permaneceram em frente à Casa de Leis.


Contudo, nenhuma manifestação ostensiva foi realizada além de alguns produtores que levaram cartazes contra o aumento da alíquota do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviária do Estado de Mato Grosso do Sul) e do ITCD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação).


Apesar da audiência ser relativa a temas que envolvem a economia rural, o Fundersul basicamente não foi abordado, com os debates se restringindo mais à segurança jurídica sobre a posse das terras em Mato Grosso do Sul.


Evento aconteceu sem distúrbios ou problemas menores


Mesmo assim, um dos presentes, o prefeito de Bela Vista, Reinaldo Piti, comentou o tema Fundersul. “O Governo está tentando manter recursos para manter investimentos. Como vai perder o ICMS do gás, agora vai repondo algumas coisas”, frisa o prefeito.


Ele ainda diz que cada município tem recebido e usado o recurso da forma que considera mais prioritária, também na área urbana. “É uma questão ampla. Ninguém quer aumento,m mas o Governo do Estado tenta compensar uma perda com outra coisa”.