Ericsson sueca vê o Brasil entrando na rede telefônica 5G em 2021 - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 16 de novembro de 2019


Ericsson sueca vê o Brasil entrando na rede telefônica 5G em 2021

Ericsson sueca vê o Brasil alternando na rede 5G no início de 2021, talvez final de 2020 dependendo dos leilões da Anatel

Publicado em: 02/11/2019 às 09h46

Bernadette Baum

A fabricante sueca de equipamentos de telecomunicações Ericsson espera que o Brasil ligue sua rede de quinta geração (5G) até o início de 2021, vários meses após um leilão de espectro marcado para março do próximo ano, disse um alto executivo à Reuters.


A empresa está trabalhando em estreita colaboração com as operadoras locais e a reguladora brasileira de telecomunicações Anatel para testar a tecnologia antes do tão esperado leilão, disse Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson Latam South, em entrevista.


Ele disse que o ritmo da implantação do 5G no Brasil dependeria do plano estratégico de cada operadora, mas pode demorar vários meses para ativar a rede ultra-rápida depois que eles conquistarem os direitos de espectro, pois é necessário trabalhar para evitar a interferência de outros serviços.


"A limpeza da largura de banda é necessária porque algumas das frequências a serem alocadas ao 5G podem ter interferências nos satélites", disse Ricotta. "Ainda estamos realizando testes com a Anatel para determinar o que deve ser feito, mas a implantação é provável entre o final de 2020 e o início de 2021".


Em maio, a Anatel decidiu que as frequências de 2,3 GHz e 3,5 GHz seriam reservadas para 5G. Outras bandas como 26 GHz e 700 MHz também podem ser adicionadas ao leilão, cujas regras ainda não foram publicadas.


O projeto do leilão também pode afetar o lançamento do 5G no Brasil, acrescentou Ricotta, ecoando as preocupações da indústria com relação aos custos de espectro, enquanto o governo luta para fechar uma enorme lacuna orçamentária criada pelo generoso sistema de pensões do país.


"Se as operadoras gastarem muito no espectro, não investirão tanto na cobertura 5G, adiando assim a adoção da tecnologia e também bilhões de dólares em impostos a serem coletados com a venda de novos dispositivos", disse ele.


A Ericsson, que está competindo com o Nokia Oyj da Finlândia e a Huawei Technologies da China para implantar o 5G em todo o mundo, investe cerca de 20% de sua receita anual principalmente em banda larga móvel, incluindo o sitema  5G.


Quinze das redes 5G nacionais ativadas globalmente até agora estão usando a tecnologia da Ericsson, o que, segundo Ricotta, significa que o grupo responde por mais de 60% dos lançamentos comerciais até agora.


Questionada sobre as preocupações de espionagem levantadas pelo governo do presidente dos EUA, Donald Trump, contra seu concorrente Huawei, Ricotta disse que a questão suscitou "conscientização" entre os clientes, mas não resultou necessariamente em mais acordos.