Sem crise! Deputados elevam gasto em 19% e torram R$ 245 mil até julho - Caarapó Online

Caarapó - MS, domingo, 22 de setembro de 2019


Sem crise! Deputados elevam gasto em 19% e torram R$ 245 mil até julho

Sem crise! Deputados elevam gasto com cota em 19% e campeões torram R$ 245 mil em sete meses

Publicado em: 10/09/2019 às 07h24

Edivaldo Bitencourt

Os deputados estaduais elevaram em até 19% o gasto com a atividade parlamentar em Mato Grosso do Sul em relação ao ano passado, de R$ 30,5 mil para R$ 36,3 mil por mês. Campeões nos gastos de janeiro a julho deste ano, Felipe Orro (PSDB) e Márcio Fernandes (MDB) torraram mais R$ 245 mil, o dobro do valor consumido pelo novato Capitão Contar (PSL), que gastou apenas R$ 123,5 mil no mesmo período.


Os gastos dos 24 deputados para custear os trabalhos nos gabinetes somam R$ 4,971 milhões nos primeiros sete meses do ano. Este valor não está incluído no salário, que deveria ser de R$ 25.322,25. No final do ano passado, eles aprovaram o reajuste de 16,37%, elevando para R$ 29,4 mil.

Como a Assembleia não cumpre a Lei da Transparência, que obriga a divulgação nominal dos vencimentos, não é possível afirmar qual o valor do subsídio.

O campeão no gasto com a cota parlamentar é Felipe Orro, que comprovou gasto de R$ 245.927,28 de janeiro a julho deste ano. O maior desembolso foi com divulgação da atividade parlamentar, R$ 57,2 mil, seguido pelo gasto com combustível e lubrificante, R$ 66,8 mil. O terceiro foi o pagamento de consultoria, R$ 50,78 mil.

O vice-campeão em gastos é o deputado Márcio Fernandes. O emedebista consumiu R$ 85,5 mil com divulgação da atividade parlamentar, que inclui pagamento de jornais, emissoras de rádio e assessoria de comunicação. Fernandes paga R$ 12 mil por mês com consultoria, que totalizou R$ 84 mil em sete meses.

O menor gasto é do deputado estadual Renan Contar, o Capitão Contar, eleito na onda que levou ao poder o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Além de ser campeão de votos, ele ficou famoso por fazer a campanha em cima de uma motocicleta. Contar usou a cota parlamentar para comprovar gastos R$ 123,5 mil.

O penúltimo lugar em gasto ficou com Marçal Filho (PSDB), que utilizou R$ 128,6 mil. O antepenúltimo ficou Renato Câmara (MDB), com R$ 148 mil. Na média, Contar foi o que menos utilizou a cota, R$ 20,5 mil por mês, seguido por Câmara, com R$ 21,1 mil, e Marçal, com 21,4 mil.

“Todas as despesas do meu gabinete são controladas, auditadas e dispostas no portal da transparência da casa, estando lá para qualquer pessoa fiscalizar. Tenho total consciência de que esses recursos devem ser usados em forma de serviços para a população”, explicou Contar.

“Se fui o que menos gastou, é porque tenho cuidado em fazer pesquisas de preço, otimizar os trabalhos e jamais desviar a finalidade. Por exemplo, não utilizo verba pública em impulsionamento das minhas redes sociais, não pago aluguel do meu escritório e não contrato serviços que não sejam estritamente essenciais para realizar um mandato coeso, correto e imparcial. Sempre digo que estamos ali para servir, e não nos servir. E vou enxugar ainda mais, sempre que possível”, ressaltou o Capitão.

Deputados gastam R$ 4,9 milhões de

janeiro a julho deste ano, confira abaixo:

Deputados Gasto 2019
Felipe Orro (PSDB) 245.927,28
Márcio Fernandes (MDB) 245.613,73
Paulo Corrêa (PSDB) 243.182,43
Cabo Almi    (PT) 243.171,34
Pedro Kemp   (PT) 239.419,01
Professor Rinaldo (PSDB) 237.915,05
Onevan de Matos (PSDB) 234.180,43
Eduardo Rocha (MDB) 230.575,83
Londres Machado (PSD) 215.978,16
Antônio Vaz (Republicanos) 215.870,65
Gerson Claro (PP) 215.854,87
Evander Vendramini (PP) 215.738,15
Lucas Lima (SD) 215.656,19
Lídio Lopes (Patri) 212.559,26
Coronel David (PSL) 211.139,21
Herculano Borges (SD) 209.395,51
Zé Teixeira (DEM) 208.308,46
Jamilson Name (PDT) 206.351,05
Neno Razuk (PTB) 188.868,42
Barbosinha   (DEM) 187.517,34
João Henrique (PL) 148.073,31
Renato Câmara (MDB) 148.038,01
Marçal Filho (PSDB) 128.625,99
Capitão Contar (PSL) 123.591,44