Investigado na Lava Jato, no PR, deposita R$ 6,8 milhões e deixa a prisão - Caarapó Online

Caarapó - MS, quarta-feira, 24 de abril de 2019


Investigado na Lava Jato, no PR, deposita R$ 6,8 milhões e deixa a prisão

Investigado na Lava Jato deposita R$ 6,8 milhões e deixa a prisão

Publicado em: 10/02/2019 às 06h25

Bem Paraná

Investigado e preso na 59ª fase da Operação Lava Jato, o empresário Wilson Quintella Filho, ex-presidente de empresas do Grupo Estre, deixou a prisão no começo da noite de sexta-feira (08.02), após depositar a fiança de R$ 6,8 milhões.

O alvará de soltura do empresário, que estava preso desde o dia 31 de janeiro na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), foi expedido às 17h30 e Quintella deixou a cadeia duas horas depois, por volta das 19h30.

As investigações nas quais o suspeito está envolvido tratam do pagamento de propinas pelo Grupo Estre em contratos com a Transpetro para o tratamento de resíduos, manutenção de dutos e construção de um estaleiro para produzir embarcações para transporte de etanol no Rio Tietê (SP)

Além de Quintella, outros dois alvos da 59ªfase da Operação Lava Jato seguem na cadeia em Curitiba. São eles: Mauro de Morais, advogado e ex-executivo do Grupo Estre, e o operador financeiro Antonio Kanju Hoshikawa. Eles poderão deixar a prisão caso depositem o valor da fiança, estipulada em R$ 1,5 milhão.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o esquema do Grupo Estre com a Transpetro consistia no pagamento de 3% dos contratos com a estatal. Ao todo, teriam sido movimentados cerca de R$ 192 milhões ilegalmente, segundo delatou Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro e que admitiu ter angariado propinas para si e integrantes da cúpula do PMDB entre 2003 e 2014. Ao todo, 36 contratos firmados entre 2008 e 2017 e com valores superiores a R$ 680 milhões estão sendo investigados.