As sete dicas da alimentação BUDISTA (upasaka Edmir) - Caarapó Online

Caarapó - MS, quinta-feira, 22 de outubro de 2020


As sete dicas da alimentação BUDISTA (upasaka Edmir)

As sete dicas da alimentação BUDISTA. Antes de iniciar uma refeição leia as dicas recomendadas pelos ensinamentos budistas. Upasaka (seguidor leigo no Budismo) significa o que não é monge.

Publicado em: 08/12/2018 às 08h17

Artigo EDMIR TERRA

1. Faça uma verificação consciente. Antes ou durante um lanche ou uma refeição, traga sua consciência para sua respiração, pausa e, em seguida, observe quaisquer pensamentos ou sentimentos que possam estar presentes, particularmente em relação aos alimentos que você está prestes a comer. Este pode ser apenas um breve momento ou até alguns minutos. É o primeiro passo para aumentar a conscientização, liberando qualquer reatividade potencial que possa estar presente e aumentando a possibilidade de uma alimentação verdadeira.

Comece fazendo algumas respirações profundas e relaxantes. Agora, simplesmente sintonize o movimento de sua respiração e respiração. Expanda sua consciência para incluir todo o seu corpo e observe sem julgamento quais pensamentos, sentimentos e sensações corporais estão presentes. Observe como isso pode informar suas escolhas sobre quanto, quando e o que comer, e desejos ou anseios de comida. Pratique isso pelo menos uma vez por dia para começar. Eventualmente, ele se tornará um hábito mais consciente.

2. Verifique com seu nível de fome e plenitude antes de comer. Ao praticar a primeira verificação Consciente, sintonize seu nível de fome física. Nós gostamos mais da nossa comida quando temos fome ou com fome moderada. Quando estamos com muita fome, tendemos a comer rápido e até comer demais. Pergunte a si mesmo, como estou com fome? Ouça as sensações e experiências que seu corpo está lhe dando. Essa fome é física ou alguma outra coisa? Se não é fome física (e você vai melhorar para discernir isso), pergunte a si mesmo, se eu estou realmente com fome?
Sintonize seu nível de plenitude física. Pergunte a si mesmo, como estou satisfeito? Ouça as sensações e experiências que seu corpo está lhe dando. Se você estiver cheio, então, comer agora não seria uma escolha muito amável ou nutritiva. Que tipos de escolhas fazem sentido com o que você percebeu? O que mais honraria seu corpo?

3. Olhe para a comida e tome um momento para refletir sobre isso. Como a comida chegou até você, o que aconteceu, quem e o que estavam envolvidos (pessoas, sol, terra, água e fazendeiros)? Considere a qualidade da comida e as fontes. Sinta uma sensação de apreciação ou gratidão antes pela comida que você vai comer.

4. Desfrute da sua comida com todos os seus sentidos. Feche seus olhos visualmente sobre os alimentos. Observe a cor, a textura, a forma. Cheire a comida, respirar o aroma, observar as nuances com ambas as narinas. Experimente o alimento, primeiro saboreando sem mastigar, percebendo o sabor, a textura e as sensações. Em seguida, mastigue a comida, permaneça o mais presente possível com cada mordida para aproveitar plenamente a experiência. Mentalmente, engula quando estiver pronto. Observe quaisquer associações que surgem, seja agradável ou desagradável. Aprecie todas as associações agradáveis ou memórias positivas, se você quiser, enquanto ainda está presente com a experiência completa.

5. Saboreie com atenção o alimento. Preste atenção ao gosto, saboreando completamente, percebendo quando diminui e quando o prazer diminui. Use essa consciência para ajudar a informar as decisões sobre quando e quão pouco comer, quando parar e quando comer mais, como é útil. Isso pode ajudar especialmente a moderar a quantidade de alimentos altamente processados.

6. Verifique com a fome e os níveis de plenitude ocasionalmente durante todo o lanche ou refeição. Consulte o número 2. Use este para guiar quando tiver você tiver comido o suficiente.

7. Prática, prática, prática. Em primeiro lugar, comemos devagar quando praticamos a alimentação consciente. O ritmo lento pode ser comparado às rodas de treinamento que usamos para aprender a andar de bicicleta. À medida que nos tornamos mais práticos e aprimoramos nossas habilidades de atenção, a alimentação consciente torna-se mais natural. Podemos aprender a comer conscientemente não só lentamente, mas em diferentes ritmos, configurações, sozinhos e com outras pessoas.

Com a consciência sinalizada, podemos comer de uma forma que se torne satisfatória, sem e livre de temor, e com as quantidades e a qualidades que sustentam nossa ótima saúde e bem-estar.