Aprovado PL que proíbe cursos de graduação de saúde na modalidade a distância - Caarapó Online

Caarapó - MS, domingo, 16 de dezembro de 2018


Aprovado PL que proíbe cursos de graduação de saúde na modalidade a distância

Aprovado PL que proíbe cursos de graduação de saúde na modalidade a distância. Siufi: ”Esse projeto é de fundamental importância para a saúde da população, pois é inadmissível o profissional ser formado na área da saúde e não ter contato com o paciente”

Publicado em: 06/12/2018 às 07h08

Correio do Estado

Foi aprovado por unanimidade na sessão de quarta-feira (5/12), na Assembleia Legislativa, em segunda discussão e votação, o Projeto de Lei nº 119/18, do Deputado Dr. Paulo Siufi, que proíbe no Estado de Mato Grosso do Sul o funcionamento dos cursos de graduação, voltados à formação de profissionais da área de saúde, na modalidade de ensino a distância (EAD), desde que esta oferta não ultrapasse 20% (vinte por cento) da carga horária total do curso, e que estas disciplinas não contemplem as matérias formadoras de competências e habilidades técnicas específicas de cada graduação.

De acordo com o Art. 2º do projeto, a fiscalização é de competência do Ministério da Educação – MEC, sem prejuízo de atuação do Ministério Público Estadual, dos Conselhos de Fiscalização Profissional dessas categorias e de demais instituições incumbidas do cumprimento desta Lei.

“Esse projeto é de fundamental importância para a saúde da população, pois é inadmissível o profissional ser formado na área da saúde e não ter contato com o paciente.  Mato Grosso do Sul sai na frente como o 1º estado a proibir”, afirmou Dr. Paulo Siufi.

O deputado que é médico pediatra tem o apoio dos Conselhos Regionais de Biologia, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Fonoadiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia, Psicologia, Serviço Social, Biomedicina e Radiologia do Estado de Mato Grosso do Sul, que se posicionaram contrários aos cursos de graduação de carga horária exclusiva na modalidade EAD.

O Conselho Nacional de Saúde já havia se posicionado contrário por meio de resolução publicada em 2016, pelos prejuízos que tais cursos podem oferecer a qualidade da formação de seus profissionais, bem como os riscos que podem causar à sociedade, refletindo uma formação inadequada e sem integração ensino/serviço/comunidade.

Antes de dar entrada com o projeto na Casa de Leis, Dr Paulo Siufi discutiu o tema com os conselhos regionais de saúde do estado em diversas audiências e reuniões.

A proposta agora segue para apreciação do Governo do Estado, que poderá sancionar ou vetar o projeto.