'Haddad não deu conta de São Paulo, vai dar do Brasil?', diz Alckmin - Caarapó Online

Caarapó - MS, quinta-feira, 4 de março de 2021


'Haddad não deu conta de São Paulo, vai dar do Brasil?', diz Alckmin

'Fernando Haddad não deu conta de administrar São Paulo, vai dar do Brasil?', diz Alckmin em Salvador, em evento eleitoral

Publicado em: 22/09/2018 às 06h50

Folha Press

Em campanha em Salvador na sexta-feira (21/09), Geraldo Alckmin (PSDB) questionou a capacidade de seu adversário Fernando Haddad (PT) de gerir o país como presidente.

"Conheço o Haddad. Se ele não conseguiu dar conta da Prefeitura de São Paulo, como é que vai dar conta do Brasil?", afirmou o tucano do alto de um mini trio-elétrico, em discurso no centro histórico para apoiadores. Acompanhava também o candidato o prefeito de Salvador, Antonio Carlos Magalhães Neto, o ACM, (DEM).

Na última pesquisa Datafolha, divulgada na quinta-feira (20), Alckmin mantém os 9% de intenções de voto do levantamento anterior. O candidato Jair Messias Bolsonaro (PSL-17) segue na liderança, com 28%, seguido por Haddad, com 16% e Ciro Gomes (PDT), com 13%.

Como tem sido sua última estratégia na campanha de TV, além do candidato do PT, o tucano também direcionou críticas ao líder das pesquisas. "Do outro lado, o outro candidato [Jair Bolsonaro] quer resolver tudo na bala. E o primeiro tiro que ele deu foi no povo, querendo recriar a CPMF. O rico não vai ser atingido, porque tem condições de morar fora do Brasil".

Alckmin citou carta do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de que se evitem candidatos de extremos nesta campanha eleitoral. "Acho que o Fernando Henrique, do alto da sua experiência e do seu amor pelo Brasil, colocou muito bem que o caminho não é o radicalismo. Os extremismos não vão resolver os problemas do país".

Afirmou ainda que o país já tem problemas de demais. "Não precisamos de um presidente que nos traga mais problemas".

O tucano chamou a visita a Salvador de início da "caminhada da vitória" e que a campanha sera intensificada. "Esses próximos 15 dias serão decisivos. São as mulheres que vão decidir a eleição."