Argentina na Copa 2018: sem espírito ou guia no escuro, o impacto da derrota pressagia o pior - Caarapó Online

Caarapó - MS, quarta-feira, 28 de outubro de 2020


Argentina na Copa 2018: sem espírito ou guia no escuro, o impacto da derrota pressagia o pior

Publicado em: 22/06/2018 às 07h48

La Nacion

Seleção sem tempo nem margem para erros

Eles arrastam as pernas, eles não andam. Aqui, neste ponto do planeta, como há dois anos na penumbra de um estádio em Nova Jersey ou há três anos nos corredores da Nacional de Santiago do Chile, a equipe argentina mastiga uma derrota que é muito dolorosa. Só que desta vez não faltou uma final: pior que isso, um presságio foi feito nervosamente durante cinco dias na própria privacidade do campus. Nem mesmo os mistérios insondáveis ​​do futebol foram traçados para distorcer uma tendência negativa que começou em Moscou no último sábado, após o empate na abertura com a Islândia. Como algo que nasceu errado pode ser bem sucedido? Os jogadores viajam pela zona mista até o ônibus que os levará ao aeroporto com o desejo de uma criança de ir à escola quando está com sono. O que eles não têm agora, precisamente, são os sonhos: "Eles se sentem eliminados", são pintados por alguém que também vai com eles para o avião de volta a Bronnitsy.

Desde Messi perdeu a penalidade na estreia, tudo o que se seguiu foi uma cadeia continuaram a declinar: o capitão na decepção emocional, duvida cerca de duas referências históricas, como Di Maria e Biglia, a nova tática com apenas três treinos para acomodar, a confirmação de mudanças na formação, a súbita mudança do Técnico Sampaoli relativas à propriedade das Pavon e dissidência dentro da comissão técnica sobre a forma de abordar o jogo ... nesta atmosfera insuportável, só uma nova lição da natureza imprevisível do futebol poderia moldar a necessária vitória contra a Croácia.


Não havia tal coisa e, com o certificado de derrota, as responsabilidades começaram a ser compartilhadas. "Estou," Sampaoli foi premiada na conferência de imprensa, mal olhando para cima do palco, depois do 3-0 decorada com um terceiro gol indigno de uma equipe deste nível, mas compreensível, se não houver algum tipo de resposta no meio do colapso. Cabe um lugar de responsabilidade para o treinador, no final do dia quem decide com quem e como propor os jogos. "Temos que lutar pela bala que resta", tenta configurar algum tipo de esperança com uma metáfora de guerra. Ele sai assim, sem pensar muito, atordoado como está. Vai custar-lhe transmitir à escola uma determinação que neste momento ele não tem. Suas palavras são geminadas com as de Messi após a estréia: "Sou responsável pelo resultado", ele disse depois daquela penalidade abençoada que não terminou em gol. Agora, ao deixar o estádio, o capitão não tenta falar, pois não conseguiu sair de seu próprio recinto nos 90 minutos no gramado. Um tiro de arco, interceptado por Rakitic, foi sua única tentativa contra Subasic. O resto foi uma peregrinação pela quadra, ao extremo de ser retratado no último gol como um espectador na varanda da área de Caballero.


Messi era uma sombra de sua estrela, porque ele não podia correr nem uma das espirais que prendiam a todos. Foi necessário muito para levar a equipe a um destino melhor, mas os sinais que já haviam sido entregues na concentração de Bronnitsy deram um fim ruim. Ensimesmado, o corpo técnico havia chamado a atenção que esse erro antes da Islândia tinha marcado tanto. E se o líder não emitir as ondas positivas que infectam os outros, o rebanho responde de acordo. "Eles estão seguindo ele, e não está certo", repetiram com preocupação da privacidade e com a equipe já instalada nesta cidade, às 24 horas de jogo. Mestre e senhor do futebol mundial, o 10 retorna para entrar nessa dinâmica perversa com a camisa da seleção colocada. Ele quer e não pode, sem solução de continuidade. Ele representa uma geração cansada "de comer m$#@!", como seu amigo Mascherano retratou naquele grupo seleto que eles lideram: aqueles que chegaram a três finais consecutivas e perderam todos eles. Há sete jogadores que estavam aqui ontem e naquelas derrotas: além de dois deles e Sergio Aguero, os três começaram contra a Croácia, Biglia, Higuain, Di Maria e Rojo é contado. O que será de todos se a aventura russa terminar abruptamente na próxima terça-feira em São Petersburgo?

Se esse time já foi virado pelo primeiro soco, agora esse abacaxi pode dar ele mesmo. O erro inesquecível de 'Willy' Caballero, uma foto que será impressa durante anos entre as lembranças desta Copa do Mundo, causou a debacle. Não há capacidade de se levantar, um déficit que cabe aos jogadores e aqueles que os lideram, que não sabiam que teclas tocar para revivê-los. Com essa fraqueza espiritual eles terão que enfrentar contra a Nigéria o partido da moldura ou fachada. Impossível imaginar neste ponto como eles vão levar adiante se mal consegue balbuciar alguma coisa agora, nesse único arquivo ensaiando à frente da imprensa e iria escolher se pudessem esquivar. Nas mãos de terceiros. A equipe argentina, vice-campeã mundial, agora depende de uma série de outros resultados para ir para a segunda rodada da Copa.