A Pandemia de COVID-19 ainda não acabou. E agora o que fazer? - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 30 de junho de 2022


A Pandemia de COVID-19 ainda não acabou. E agora o que fazer?

A Pandemia ainda não acabou. E agora o que fazer?

Publicado em: 18/05/2022 às 18h52

New York Times

Em março de 2020, apenas algumas semanas depois que a pandemia foi declarada e o mundo entrou em crise, o Dr. Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas do país, foi à CNN para preparar os americanos para o que ele achava ser o pior cenário. Com cerca de 125.000 casos confirmados no país naquele momento, ele alertou que o Covid-19 poderia matar entre 100.000 e 200.000 americanos, excedendo em muito o número anual de mortes da gripe, mesmo em seus anos mais graves.

Algumas projeções apontavam o número de possíveis mortes por Covid muito mais alto, em um milhão ou mais. Mas o Dr. Fauci, entre outros em seu campo, acreditava que tais números seriam “quase certamente fora do gráfico” – “não impossíveis, mas muito, muito improváveis”.

Dois anos depois, o muito, muito improvável aconteceu. Com os Estados Unidos tendo ultrapassado o limiar angustiante de um milhão de mortes por Covid, gostaria de usar o boletim desta semana como uma oportunidade para fazer um balanço do estado da pandemia, como diminuir o fardo que continua a colocar na saúde pública e que preparativos devem ser feitos para o que ainda pode guardar.

Onde as coisas estão

Há mais de um ano, Alexis Madrigal, do jornal The Atlantic, fez uma pergunta aparentemente simples: quando, exatamente, a “fase de emergência” da pandemia poderia ser considerada encerrada? Uma resposta que ele e os especialistas em saúde pública encontraram foi “o teste da gripe”: quando o número de mortes diárias por Covid nos Estados Unidos cai para 100, ou aproximadamente o mesmo número de americanos que morrem de gripe todos os dias, em média, antes da pandemia.

Pelo padrão da gripe, a fase de emergência da pandemia ainda está longe de terminar nos Estados Unidos: Nas últimas semanas, os casos e as hospitalizações aumentaram, e as mortes, embora muito menores do que no auge do surto de Omicron há vários meses, estão atualmente em torno de 300 por dia.

Também houve um aumento recente nos casos em outras partes do mundo, embora a taxa de mortalidade diária global esteja agora mais alinhada com as estimativas mais altas da gripe.

E depois há o Covid longo: como Jonathan Wolfe, do The Times, explicou recentemente, estudos estimam que 10% a 30% das pessoas infectadas com o coronavírus podem desenvolver sintomas duradouros, incluindo disfunção cognitiva, perda ou distorção do olfato e paladar, exaustão e falta de energia de fôlego. As vacinas parecem fornecer proteção contra o Covid longo, mas o quanto permanece incerto.

Além disso, a saúde mental dos americanos continua a sofrer. Em uma pesquisa recente com mais de 18.000 americanos, quatro em cada 10 entrevistados disseram conhecer pelo menos uma pessoa que morreu de Covid. Um em cada sete disse que perdeu um membro da família. A pesquisa também descobriu que 27% dos adultos relataram níveis de depressão que normalmente levariam a um encaminhamento para uma avaliação mais aprofundada. Especialmente impressionante, metade dos entrevistados entre 18 e 24 anos relatou sintomas depressivos.

“Em geral”, observa a pesquisa, “esses números diminuíram desde o pico em dezembro de 2020, mas, por outro lado, são notavelmente estáveis ​​ao longo do tempo e ainda acentuadamente elevados em comparação com as estimativas entre adultos antes do Covid-19, que indicavam cerca de 8% dos adultos apresentavam sintomas depressivos moderados ou maiores”.

Para onde vai o vírus daqui?

Seis meses após a detecção da variante Omicron na África do Sul, uma série de subvariantes - BA.2 e BA2.12.1 nos Estados Unidos e BA.4 e BA.5 na África do Sul - estão gerando novas ondas de casos. Como explica Apoorva Mandavilli, do jornal The Times, o Omicron e suas subvariantes evoluíram para contornar parcialmente a imunidade, aumentando o risco de contrair Covid mais de uma vez. A reinfecção pode se tornar a norma mesmo para pessoas que receberam várias doses de vacina, embora a maioria não fique doente o suficiente para precisar de cuidados médicos.

“Se administrarmos da maneira que administramos agora, a maioria das pessoas será infectada pelo menos duas vezes por ano”, disse a ela Kristian Andersen, virologista do Scripps Research Institute em San Diego. “Eu ficaria muito surpreso se não for assim que as coisas vão acontecer.”

Mas nem tudo são más notícias. Devido à crescente prevalência de imunidade induzida por vacinas e infecções, juntamente com o advento de novos tratamentos, as taxas de casos e as taxas de mortalidade não são mais tão fortemente correlacionadas como antes. A taxa de doenças graves também pode ser menor do que os números oficiais sugerem, já que muitas infecções por Covid provavelmente estão sendo subestimadas por causa de testes rápidos em casa. E para pessoas vacinadas, uma infecção por Omicron pode desencadear uma resposta imune que confere proteção contra uma ampla gama de variantes, sugerem dois novos estudos.

Depois do Omicron? Como Ewen Callaway escreve na revista científica Nature, variantes anteriores de preocupação – incluindo Alpha, Delta e a encarnação inicial de Omicron – surgiram independentemente de ramos distantes da árvore genética do coronavírus. Mas o Omicron parece estar seguindo um padrão diferente, desenvolvendo novas subvariantes que escapam parcialmente da imunidade com alterações genéticas relativamente pequenas.

Se esse padrão continuar, a trajetória do coronavírus “pode se assemelhar à de outras infecções respiratórias, como a gripe”, escreve Callaway. “Nesse cenário, mutações de evasão imunológica em variantes circulantes, como Omicron, podem se combinar com quedas na imunidade de toda a população para se tornar os principais impulsionadores de ondas periódicas de infecção”.

Alguns cientistas, no entanto, dizem que a perspectiva de uma variante diferente – uma descendente mais competitiva da Delta, digamos – não deve ser descartada. E, independentemente da variante ou subvariante em questão, se o vírus for capaz de continuar evoluindo para reinfectar as pessoas, “não será simplesmente essa coisa de inverno uma vez por ano”, disse Jeffrey Shaman, epidemiologista da Universidade de Columbia, ao jornal The Times. “E não será um incômodo leve em termos da quantidade de morbidade e mortalidade que causa.”

Como os governos e o público devem responder?

No curto prazo, com o aumento dos casos, proteger os vulneráveis ​​tornou-se uma preocupação ainda mais urgente. Como escreve minha colega Sarah Wildman, retornar ao “normal” ainda não é possível para milhões de americanos com sistemas imunológicos comprometidos e aqueles que vivem com eles. Essa população inclui Wildman e sua filha de 13 anos, que recebeu um transplante de fígado como parte de seu tratamento contra o câncer em março de 2020.

“Se não quisermos pressionar, no mínimo, sete milhões de americanos e seus familiares a evitar voos, teatros, escolas e trens”, argumenta ela, os americanos precisarão criar um novo normal, “um que reconheça que todos merece a chance de participar da vida cotidiana.”

Na prática, isso pode significar que as organizações artísticas reservam certas datas para apresentações que exigem máscaras, mesmo que os mandatos mais gerais de máscaras caiam; escritórios fornecendo espaços somente para mascarados, testes no local e arranjos de trabalho flexíveis; e restaurantes continuam a cumprir os mandatos de vacinas. É uma visão não de restrição ampla, ela escreve, mas de solidariedade e “oferecer inclusão em perpetuidade”.

A médio prazo, a questão de saber se – e como – melhorar vacinas e tratamentos será muito debatida. Tanto a Moderna quanto a Pfizer estão trabalhando em boosters específicos da Omicron que podem ser implantados no outono. Dada a imunidade potencialmente mais ampla provocada pela infecção por Omicron em indivíduos vacinados, alguns cientistas acham que é uma boa ideia.

Mas outros têm dúvidas por causa da rapidez com que o coronavírus está mudando. “Acho que temos que dar um passo atrás agora e nos perguntar o que podemos realizar com nossas vacinas de mRNA e estar preparados para a possibilidade de uma nova variante”, disse Michael Osterholm, epidemiologista da Universidade de Minnesota, à CNN. “Vamos nos atrasar se adotarmos uma vacina específica da Omicron, apenas para que surja uma nova variante diferente?”

Outra opção, proposta pelo imunologista da Universidade de Yale Akiko Iwasaki no jornal The Times, é desenvolver uma vacina que possa ser administrada através de um spray nasal em vez de uma injeção muscular. Ao estimular níveis mais altos de imunidade nas vias aéreas, onde o coronavírus entra no corpo, as vacinas intranasais podem conferir proteção mais forte contra infecções, que, mesmo leves, ainda podem causar Covid longa: um novo grande estudo de pacientes com Covid longa descobriu que 76% não foram hospitalizados por sua infecção inicial.

“Combinar essa abordagem com os esforços em andamento para desenvolver uma única vacina para uma gama mais ampla de coronavírus” – uma ideia há muito defendida por Eric Topol, da Scripps Research, entre outros – “também poderia oferecer proteção às pessoas contra variantes futuras”, escreve Iwasaki.

Apesar de todos os avanços que foram feitos no tratamento do Covid, ainda não há tratamento estabelecido para o Covid longo, como Katherine J. Wu aponta no The Atlantic. “A postura negligente da América no longo Covid é coreografada em quase todos os aspectos do que resta da resposta à pandemia do país”, escreve ela. Corrigir essa postura, ela argumenta, exigiria muito mais investimento na pesquisa de terapias.