MS tem 15 nomes na lista vermelha da Interpol, entre eles mulher de 70 anos - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 30 de junho de 2022


MS tem 15 nomes na lista vermelha da Interpol, entre eles mulher de 70 anos

Outros nomes são de homens naturais do Estado de MS

Publicado em: 24/04/2022 às 18h57


A lista vermelha da Interpol, onde constam os 7.301 mais procurados do mundo, hoje registra os nomes de 15 pessoas naturais de Mato Grosso do Sul. O último a ser inserido na difusão vermelha é Juanil Miranda Lima, de 45 anos, apontado como um dos pistoleiros denunciados na Omertà. Junto dele também estava José Moreira Freires, que acabou morrendo em confronto com a polícia em dezembro de 2020.

Além da lista vermelha, Juanil também é citado na lista de mais procurados do MJSP (Ministério da Justiça e Segurança Pública). “Ex-guarda civil municipal de Campo Grande (MS), integrante de uma milícia ligada ao jogo do bicho. Condenado pelo Tribunal do Júri pela execução do delegado Paulo Magalhães Araújo. Suspeito de envolvimento na morte de Orlando da Silva Fernandes “Bomba”, ex-chefe de segurança de Jorge Rafaat Tuonami”, diz a ficha.

Conforme foi apurado, atualmente há 115 brasileiros na lista vermelha, dos quais 15 são sul-mato-grossenses. Entre eles, 14 são homens e apenas uma é mulher, Maria Ivonete Yamaguti Dutra, de 70 anos, natural de Bandeirantes (MS). Consta que ela é procurada por furto contra entidade pública.

Entre os outros nomes, há homens não identificados por fotos, como Lucas de Souza Dantas, de 28 anos, natural de Nova Andradina e procurado por tráfico de drogas. Também Rodrigo da Silva, de 25 anos, de Paranhos, foragido por cultivo de maconha. Ainda sem fotografia está Mauro Vieira, de 28 anos, acusado também de tráfico de drogas.

Na cidade de nascimento de Mauro consta “Patrocínio-MS”, mas que poderia ser a cidade mineira. De Três Lagoas, Jhonn Halite Ramos Barbosa, de 25 anos, acusado de porte ilegal de arma de fogo e associação criminosa, bem como Murilo Rodrigues Nogueira, 28 anos, acusado dos mesmos crimes, também não são identificados com fotografias.

Murilo estaria entre os presos que fugiram da unidade prisional de Pedro Juan Caballero (PY), em janeiro de 2020. Ele acabou preso meses depois, tomando banho de rio na cidade onde nasceu. Outros dois que não são identificados com fotos são Odair Ferreira dos Santos, de 44 anos, natural de Dourados (MS) e foragido por tráfico de drogas, e Luiz Antônio Varela da Silva, 25 anos, de Campo Grande, acusado de tráfico, associação criminosa e porte ilegal de arma de fogo.

Em dezembro de 2020, a imprensa registrou a prisão de Luiz Antônio. Ele também foi apontado como um dos presos do PCC (Primeiro Comando da Capital) que fugiu do presídio paraguaio, na fronteira. O rapaz foi detido em Campo Grande e estaria revendendo armas de fogo na cidade. Com ele foram apreendidas quatro armas e várias munições.

Ainda aparecem na lista Ramão Anacleto Brites Davalo, de 47 anos, natural de Aral Moreira e acusado de tráfico internacional de drogas, Marcial Dário Acosta, 43 anos, natural de Ponta Porã e também acusado de tráfico de drogas. Paulino Mário Soares Rezende, 47 anos, de Ponta Porã, também é um dos foragidos e acusado de tráfico.

Claudinei Predebon, de 37 anos, também consta na lista vermelha da Interpol. Natural de Fátima do Sul (MS), ele é acusado do tráfico de cocaína. Claudinei foi preso em janeiro deste ano pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), no trajeto entre Santa Catarina e São Paulo. Ele ainda apresentou um documento falso.

Liderança do PC na Lista

Conforme relatado pela PRF, ele era considerado responsável pelo recebimento de droga no Paraguai e atuava com o próprio pai, Aldo José Marques Brandão, de quem seria ‘secretário’. Aldo, conhecido como ‘Sheik’, está preso em Campo Grande, condenado a 53 anos de prisão e apontado como ‘barão do tráfico internacional’. Ele foi detido pela Polícia Federal em 2016, na Operação Matterello.

MS tem 15 nomes na lista vermelha da Interpol, entre eles mulher de 70 anos