Ônyx Lorenzoni, 'Seguem iguais, não aprenderam nada. São uns criminosos' - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, sábado, 27 de novembro de 2021


Ônyx Lorenzoni, 'Seguem iguais, não aprenderam nada. São uns criminosos'

Ministro Onyx Lorenzoni (Ministro do Trabalho), no dia de mais uma invasão do MST na sede da APROSOJA

Publicado em: 15/10/2021 às 09h14

Cláudio Humberto

Temor é que Pacheco boicote redução de preços

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ontem não ter dúvida de que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), vai agilizar e aprofundar o exame da proposta, aprovada por quase 400 deputados federais, alterando o ICMS sobre os combustíveis.

Mas, na Câmara, muitos parlamentares duvidam da sinceridade de Pacheco quando, ainda na noite de quarta (13), disse que o País “já não suporta” os aumentos e que o Congresso precisa agir com rapidez contra isso.

Mais do mesmo

Como é habitual, horas depois Pacheco passou a defender interesses dos críticos do projeto, dizendo ser preciso “ouvir os governadores”. Os governadores, que hoje nadam em dinheiro, não querem perder o bem-bom dos bilhões extras gerados pelos aumentos da Petrobras.

Pura ‘embromation’

A promessa de “ouvir os governadores”, na prática, garante holofotes ao presidente da Câmara Rodrigo Pacheco, mas também provocará demora na votação pelos deputados.

Trocando em miúdos

A governista Bia Kicis (PSL-DF) definiu a votação de 4ª-feira: “a Câmara aprovou a redução no preço do combustível”. E o Senado Federal, fará o quê?

Política de lucros força privatização da Petrobras - Bolsonaro parece finalmente convencido da necessidade de privatizar a empresa “pública” Petrobras. A estatal, que se comporta como se fosse particular (pior, submissa a acionistas minoritários), saiu do controle do acionista majoritário, que é o povo brasileiro representado pelo chefe do Executivo.

A estatal já não investe e prioriza apenas a distribuição de dividendos. A política selvagem de lucros da Petrobras é o que provoca reações como a do presidente, de simpatia à ideia de sua privatização.

Xô, monopólio

O problema é a definição do modelo de privatização. O primeiro passo é eliminar o seu maior privilégio. Afinal, não dá para privatizar monopólio. Economistas apontam outra providência necessária antes de privatizar: abrir o Brasil para que outras petroleiras concorram com a Petrobrás.

Fatiar é preciso

Outro ponto, antes de levar a Petrobras a leilão, é fatiar a empresa. Quem a comprar não pode concentrar tanto poder no mercado brasileiro. Passo glorioso - Falou-se muito sobre o projeto reduzindo o preço do combustível, “muito engenhoso” segundo o experiente ex-ministro Delfim Netto, mas pouco sobre seu autor. Trata-se do deputado Emanuel Pinheiro Neto (PTB-MT), para quem “é somente o primeiro passo, mas um passo glorioso.”

Outra goleada

O presidente da Câmara, Arthur Lira, confirmou: a PEC que altera e amplia a composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) será votada terça-feira (19.10). Espera-se nova goleada.

Ela, não - A CPI falava em “indiciar” 30 pessoas. Passou a 34, a 40 e agora 50. Espera-se que entre estas não esteja d. Déa, mãe do saudoso ator Paulo Gustavo, por não haver permitido a exploração política da morte do filho.

Camomila na veia - Bolsonaro deve utilizar todo o seu estoque de paciência ao receber o senador “seachão” Davi Alcolumbre. Se o presidente não for capaz de garantir sua difícil sua reeleição no Amapá, bye, bye, sabatina.

Ato ‘democrático’? - Teria sido “ato antidemocrático” o ataque covarde à sede da Associação Brasileira de Produtores de Soja não fosse a Aprosoja presidida por um bolsonarista. Aliás, a entidade virou alvo exatamente por essa razão.

Vagabundos - O deputado José Medeiros (Pode-MT) ironizou manchetes sobre a invasão da sede da Aprosoja por “trabalhadores rurais”. Ele postou foto dos delinquentes e tascou: “Não tem um trabalhador aí. Só malandro”.

100% nacional - O presidente Jair Bolsonaro comemorou sucesso da bateria de nióbio, que sempre defendeu. “Permitirá carros elétricos recarregarem em 6 minutos. VW e a Toshiba já fecharam parceria para comercializarem”.

Ferramenta pedetista - Para o presidente do PCO, Rui Costa Pimenta, a acusação de Ciro Gomes de que “Lula participou da conspiração” contra Dilma, mostra que Ciro é “uma ferramenta dos golpistas que elegeram Bolsonaro”.

Pergunta na Justiça - O STF vai mandar prender os delinquentes que participaram de ato antidemocrático na sede da Aprosoja?


Mistura fina

PAULO Guedes continua namorando o uso de parte das reservas cambiais para abater a dívida bruta. A medida não é simples. O gasto das reservas para a redução da dívida carece de fundamentação mais rigorosa. No começo da semana, as reservas cambiais do Brasil correspondiam a US$ 368 bilhões.

EM processo do STF, Dias Toffoli vai decidir se anula ao acordo de colaboração da Odebrecht com o Ministério Público Estadual contra o ex-prefeito Gilberto Kassab, do PSD. Uma decisão favorável a Kassab pode abrir um precedente para outras defesas processadas pela Promotoria paulista recorram para invalidar as ações movidas com base na delação da Odebrecht.

DEPOIS de ressuscitar politicamente o ex-jornalista Franklin Martins, idealizador do controle externo da mídia, apelido que se inventou para a censura, agora está reabilitando José Dirceu, o criador do mensalão. Só partidos pequenos, desestruturados, carente de quadros recorrem a seus velhos fantasmas – e não é o caso do PT

ESTE ano, em julgamento no TSE que resultou o cancelamento do registro de uma candidatura de um postulante ao cargo de vereadora em São Paulo. Edson Fachin, integrante do TSE e do STF, sentenciou que houve danos ao erário. Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, destacou que voltou a prática da corrupção: “Rachadinha é um eufemismo para desvio de dinheiro público, para peculato”.

A MAIS recente versão para o caso da tentativa de Alcolumbre de esticar ao máximo a sabatina de André Mendonça seria um acordo para garantir apoio do governo à difícil reeleição.

MUITOS ministros e integrantes do governo Jair Bolsonaro, estão pessimistas sobre à aprovação de André Mendonça como ministro do STF. Eles acreditam que o ex-AGU não agrada os senadores e sua desaprovação será uma resposta do Senado para futuras pretensões do Governo.

AINDA Roberto Jefferson: o presidente afastado do PTB, recebeu alta no último dia 6. Primeiramente ele estava internado por causa de uma infecção urinária e depois foi submetido a um cateterismo. Já em casa o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou quarta-feira(13) a volta do ex-deputado para cadeia. Segundo Moraes à prisão é medida ‘necessária’ à garantia da ordem pública.