Igrejas de Campo Grande (MS) se dividem sobre ocupação máxima pelos fiéis - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 28 de outubro de 2021


Igrejas de Campo Grande (MS) se dividem sobre ocupação máxima pelos fiéis

Templos católicos vão liberar sobre a ocupação máxima na próxima semana

Publicado em: 18/09/2021 às 09h06

Lucas Mamédio

Uma das principais saídas encontradas pelas organizações religiosas durante a pandemia foi realizar a transmissão de suas celebrações por meio de lives nas redes sociais. Durante a maior parte do tempo, no último um ano e meio, os templos religiosos, ou ficaram fechados ou tiveram a lotação máxima limitada de acordo com o decreto da data.

Mais recentemente, o anúncio de um novo decreto municipal em Campo Grande (MS), que será publicado na próxima segunda-feira (20.09), vai permitir pela primeira vez que vários estabelecimentos, inclusive as igrejas, recebam lotação máxima de sua capacidade, uma mudança significativa dentro de um seguimento que sempre prezou pela presença de seus membros.

Mas será que todas as congregações vão seguir o que o decreto permite? E se seguir, como ficam as transmissões online, continuam? Bom, pelo menos para a Igreja Católica sim. Segundo Dom Dimas, arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Campo Grande, as igrejas da Capital vão estar liberadas para receber ocupação máxima.

“Pode ser que algum pároco, por motivos particulares da sua região, prefira ir retomando gradualmente a ocupação. O fato é que, até agora, sempre procuramos seguir as orientações das autoridades sanitárias. Ou seja, vamos continuar com máscaras, álcool em gel etc.”, pondera Dom Dimas.

Já em relação às lives, o bispo acha que foi uma mudança que chegou para ficar na igreja. “Penso que a transmissão das missas e outros eventos pelas redes sociais veio pra ficar. E, certamente, as reuniões a distância”, concluiu. Já a Primeira Igreja Batista, umas das evangélicas mais tradicionais de Campo Grande, informou que vai continuar limitando a ocupação de seu templo a 60% da capacidade máxima.

Segundo o pastor Ronaldo Leite Batista, a manutenção da limitação se dá pela experiência desse período de pandemia. “Nem agora que limitamos metade temos essa ocupação, isso porque tem muitos fiéis que ainda não estão tão seguros, por isso achamos prudente manter os 60%, além de outras medidas como álcool em gel e exigência de máscara”.

Sobre a transmissão ao vivo, o pastor disse que a igreja vai continuar, já que possui uma boa estrutura mesmo antes da pandemia. “Sempre foi uma tradição nossa a transmissão online, temos três câmeras, equipe profissional, na verdade, só vamos manter”.

Já a Igreja Internacional da Graça de Deus, no Centro, disse que deve seguir o decreto e permitir ocupação máxima em seu templo mediante ao uso de máscara. "Nós aumentamos o número de cultos para diluir um pouco a demanda, mas seguiremos o decreto", disse o líder da igreja em MS, pastor Maiquel Marques.