'A responsabilidade é minha', diz Joe Biden sobre retorno do Talibã ao poder - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quinta-feira, 9 de dezembro de 2021


'A responsabilidade é minha', diz Joe Biden sobre retorno do Talibã ao poder

Presidente Joe Biden assume responsabilidade pelo retorno do Talibã ao poder, defende retirada, diz que os EUA jamais planejavam reconstruir o Afeganistão e alerta contra o terrorismo. Desesperados, afegãos provocam caos no aeroporto

Publicado em: 17/08/2021 às 06h26

Rodrigo Craveiro

A missão dos Estados Unidos no Afeganistão jamais envolveu reconstruir o Afeganistão, que, no domingo (15/8), mergulhou na sombra do extremismo. Teve como foco impedir a rede terrorista Al-Qaeda de usar o território como base para planejar atentados. Washington nunca mostrou a pretensão de criar uma democracia unificada e centralizada para os afegãos.

Durante 18 minutos, esta foi a tônica do discurso de Joe Biden, forçado a interromper as férias em Camp David para explicar a volta da milícia fundamentalista islâmica Talibã ao poder e ao defender a retirada militar, enquanto o caos reinava no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul.

“Sou o presidente dos Estados Unidos, e a responsabilidade é minha. (…) Sustento firmemente minha decisão. Depois de 20 anos, aprendi a duras penas que nunca houve um bom momento para retirar as forças americanas”, declarou o democrata. “A verdade é que isto (a volta do Talibã) ocorreu mais rápido do que prevíamos.” Ele disse que os EUA agirão “rapidamente” contra o terrorismo no Afeganistão, “se necessário”.

Segundo o presidente, uma relação com o Afeganistão dependerá “das ações do Talibã”. “Um futuro governo afegão que defenda os direitos básicos do seu povo, que não receba terroristas e que proteja os direitos básicos da metade da sua população — suas mulheres e meninas —, este seria um governo com qual estaríamos dispostos a trabalhar”, assegurou.

Caso os talibãs ataquem interesses dos EUA ou atrapalhem a retirada dos milhares de diplomatas americanos, Biden avisou que responderá com “força devastadora, se necessário”. Ele prometeu, ainda, “falar abertamente” pelas mulheres afegãs.

Estudante da Universidade de Cabul, Aisha, 22 anos, é uma delas. Nas últimas 48 horas, tentou fugir por duas vezes do Afeganistão. Enviou à reportagem uma foto que mostra o pé esquerdo com feridas. “As pessoas corriam dentro do aeroporto, aos milhares. Meus joelhos e minhas mãos sangram. A situação no aeroporto é péssima. Houve disparos lá”, contou.

Afegãos escalaram uma aeronave da companhia aérea Kam Air e o finger (equipamento que liga o terminal de passageiros à porta da aeronave). Em uma cena icônica, centenas de civis correram ao lado de um cargueiro norte-americano enquanto decolava. Alguns se abrigaram no trem de pouso, e dois despencaram do céu para a morte, diante das câmeras.

Soldados americanos mataram dois homens armados no aeroporto. “Biden insiste sobre seus erros e não aceita o mau gerenciamento da situação em meu país. Os responsáveis pelo que vivemos hoje são Ashraf Ghani (o presidente que fugiu no sábado), Zalmai Khalizad (emissário americano para o Afeganistão) e Biden”, disse Aisha.

Com o mundo atônito, a China foi o primeiro país a expressar o desejo de manter “relações amistosas” com o governo afegão. O presidente da França, Emmanuel Macron, alertou o Afeganistão a não se tornar “santuário do terrorismo” e prometeu encampar uma iniciativa da União Europeia (UE) para proteger migrantes afegãos. A chanceler alemã, Angela Merkel, lamentou que a missão no Afeganistão “não foi exitosa”.

Cálculo errado

Professor de relações internacionais da ESPM Porto Alegre, Roberto Uebel disse que chamou a atenção o fato de Joe Biden afirmar que a queda de Cabul ocorreu mais rápido do que o previsto. “Havia um cálculo estratégico dos Estados Unidos de que o Talibã tomaria o poder com o anúncio da saída das tropas. Essa declaração do presidente oferece indícios de que o Talibã tomaria o poder de volta assim que os EUA saíssem”, avaliou.

Uebel lembra que o Talibã jamais deixou de existir. “Desde 2001, a presença norte-americana no Afeganistão representava, para os talibãs, algo como uma invasão territorial. Nos últimos anos, desde o fim do governo de Barack Obama, havia a perspectiva de que os Estados Unidos deixassem o Afeganistão. Na gestão de Donald Trump, existiu chance de diálogo com os talibãs. Durante a campanha eleitoral, Biden prometeu a retirada das tropas americanas”, explicou à reportagem.

Ele aponta a sinalização da China e da Rússia em reconhecer a soberania talibã sobre o território afegão como fator decisivo para a reconquista do poder.

Para Farzana Kochai (leia Duas perguntas para), membro do Parlamento do Afeganistão, o mundo fracassou em não implementar bons governos no país e por não atuar com transparência. “A conferência organizada pelo Banco Mundial para debater a reconstrução do Afeganistão não foi um processo inclusivo. As coisas que ocorreram recentemente, no que diz respeito às conversas de paz e à legitimidade oferecidas por esse diálogo, levaram a essa situação”, afirmou ao Correio, por telefone.

A parlamentar jamais esperava a rápida tomada da capital afegã e não escondeu o medo. “Há milhares de perguntas sobre o que ocorrerá com as crianças, as garotas e as mulheres. Se elas terão permissão para buscarem uma boa educação, para serem livres, para usufruírem de seus direitos, para viajarem e viverem da forma como merecem.”

Ao ser questionada sobre o discurso de Biden, Farzana disse que “não viu nada de novo”. A parlamentar reconhece um vácuo de poder no Afeganistão, mas afirmou acreditar que líderes como o ex-presidente Hamid Karzai e o ex-vice Abdullah Abdullah dialogam com o Talibã. “Os ministros da Indústria e da Saúde ainda estão em seus postos; o Parlamento não desmoronou, mas enfrenta futuro incerto.”

Farzana descarta abandonar Cabul. Disse ter esperança de encontrar respostas para muitas de suas perguntas. “Quero saber se as mulheres poderão sobreviver neste lugar. Não tenho planos. Apenas desejo ficar por aqui e ver se posso fazer algo, ainda que pequenas coisas, para o meu povo e o meu país ficarem em segurança.”