A Autoridade Palestina autoriza o uso da vacina russa Sputnik V - Caarapó Online

Caarapó - MS, quinta-feira, 4 de março de 2021


A Autoridade Palestina autoriza o uso da vacina russa Sputnik V

A Autoridade Palestina deu autorização de emergência para a vacina russa Sputnik V Covid-19, anunciou o ministro da Saúde, Mai al-Kaila

Publicado em: 19/01/2021 às 18h57

New York Times - ADM RASGON

O Fundo Russo de Investimento Direto, que financiou o Sputnik V, disse que um primeiro lote de doses deve ser entregue aos palestinos em fevereiro. A organização ainda não informou quantas doses serão enviadas.

Os palestinos na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza bloqueada ainda não receberam nenhuma remessa significativa de vacinas. Em sua declaração, a Sra. Al-Kaila disse que os profissionais de saúde seriam vacinados primeiro, quando um carregamento de vacina chegasse.

Não estava claro se uma grande remessa do Sputnik V seria a primeira a chegar aos territórios. Ali Abed Rabbo, um alto funcionário do Ministério da Saúde, disse na semana passada que os palestinos esperavam receber dois milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca em fevereiro. Autoridades de saúde agora dizem que esperam que essas doses cheguem em março.

A Autoridade Palestina pediu a Israel no final de dezembro que fornecesse até 10.000 doses de vacina para inocular trabalhadores médicos de primeira linha, mas os israelenses rejeitaram o pedido, de acordo com Hussein al-Sheikh, o principal oficial palestino encarregado de coordenar com Israel.

As autoridades israelenses disseram que vacinar os palestinos não era sua obrigação ou responsabilidade. O Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina e grupos de direitos humanos argumentam que o direito internacional obriga Israel a dar doses aos palestinos que vivem sob ocupação. Autoridades israelenses sinalizaram que podem enviar doses à Autoridade Palestina assim que sua campanha de vacinação for concluída.

Israel administrou vacinas suficientes para 20 por cento de sua população até agora, a maior proporção de qualquer país, de acordo com o site de pesquisa Our World in Data, sediado na Universidade de Oxford.