Pandemia e rombo fiscal devem manter o dólar acima dos R$ 5 em 2021 - Caarapó Online

Caarapó - MS, segunda-feira, 18 de janeiro de 2021


Pandemia e rombo fiscal devem manter o dólar acima dos R$ 5 em 2021

Analistas acreditam que moeda norte-americana deve se manter acima de R$ 5 em 2021 devido aos efeitos da pandemia e às incertezas na área fiscal. Em 2020, o real foi a sexta moeda que mais se desvalorizou entre economias de países emergentes

Publicado em: 06/01/2021 às 07h26

Assessoria

O cenário externo, com avanços nos casos da covid-19 na Europa, onde vários países prorrogaram o lockdown até 31 de janeiro, está ofuscando as chances de o dólar ficar abaixo de R$ 5 em 2021 no Brasil. A maioria dos especialistas ouvidos pelo Correio reconhece que as incertezas são muitas para garantir uma melhora na confiança e uma reação robusta da atividade econômica, porque o governo federal não apresentou até agora um plano consistente para a vacinação em massa da população ainda neste ano.

A falta de clareza na área fiscal também pressiona o dólar e é outro entrave para a retomada da economia — nem mesmo o Orçamento de 2021 foi aprovado e o presidente Jair Bolsonaro reconhece que “o país está quebrado”. Portanto, não há garantia da manutenção do teto de gastos — emenda constitucional que limita o aumento de despesas à inflação do ano anterior —, âncora fiscal que mantém um resquício de confiança do mercado no governo.

Ontem, a Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) anunciou que a Arábia Saudita vai cortar a produção, o que ajudou as bolsas de países emergentes e derrubou o dólar. Contudo, neste ano, até agora, o real é a segunda moeda mais desvalorizada entre as divisas de nações em desenvolvimento, à frente apenas do rand sul-africano, conforme levantamento feito pela RB Investimentos a pedido do Correio, considerando a variação até às 17h de ontem. No dia, o dólar fechou em queda de 0,15%, cotado a R$ 5,260 para venda.

Para Sidnei Nehme, diretor da NGO Corretora de Câmbio, a tendência global é de o dólar se desvalorizar, mas, no Brasil, há muitos fatores internos negativos para que a moeda norte-americana fique abaixo de R$ 5, “como inércia da agenda de reformas, o enorme risco fiscal e rebote do novo coronavírus, com governo sem dinheiro e população carente sem programas”. “Veja o que acontece com o câmbio: nada tem a ver muito com o exterior, o real repercute uma postura defensiva que corre para o dólar”, pontuou.

Diante desse cenário incerto para a economia brasileira, Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, não tem dúvidas de que o dólar continuará acima de R$ 5 ao longo de 2021. Segundo ele, o governo vai ter dificuldades para manter a regra do teto até o próximo ciclo eleitoral. “O dólar vai continuar valorizado, não apenas por questões internacionais, como a eleição (de segundo turno) do Senado norte-americano, mas, também, por conta da base fiscal brasileira deteriorada, sem solução política de curto prazo. Isso tende a manter o câmbio pressionado nos próximos meses. Vamos ficar na incerteza sobre que ajuste de longo prazo será feito para se contrapor à deterioração causada pela covid-19, mas não consigo ver espaço de articulação política para grandes medidas”, explicou.

Para Vale, aprovar a reforma administrativa enviada pelo governo ao Congresso “não é suficiente”, “e, muito menos, a desidratada Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial”, que regulamenta medidas de corte de gastos obrigatórios no caso do descumprimento do teto. Ele prevê o dólar encerrando o ano a R$ 5,80 e o Produto Interno Bruto (PIB), avançando 2,6% em 2021, abaixo das previsões do mercado e do governo.

Vacinação

Na avaliação do economista-chefe da RPS Capital, Gabriel Leal de Barros, não é impossível que o real fique “temporariamente” abaixo de R$ 5 neste ano, mas, como há muitas incertezas, o patamar não conseguirá se sustentar, porque falta muita previsibilidade sobre a vacinação e a segunda onda na Europa, com uma versão do novo coronavírus ainda mais contagiosa. Barros prevê o dólar encerrando o ano em R$ 5,10, com o PIB avançando 3,4%, mais do que o governo espera. “A prioridade, neste momento, é acelerar o máximo a vacinação, dando previsibilidade para a imunização. O sucesso ou fracasso vai definir se teremos uma recuperação ou piora econômica local”, reforçou.

O cenário base para o dólar traçado por Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, é de R$ 4,80 para este ano. Contudo, ele reconhece que há grandes chances de a moeda norte-americana continuar acima de R$ 5 se os cenários externo e interno piorarem. “O ano de 2021 começou com investidores adotando uma postura de maior cautela. Entendo que muita gente achava que, com o início da vacinação, não seriam necessários novos lockdowns, algo que não tem se mostrado verdade. A ficha de quanto difícil será fazer uma vacinação em massa parece ter caído agora”, disse.

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, também reconheceu “que está mais difícil” para o real ficar abaixo de R$ 5 na conjuntura atual, apesar de o governo prometer avanços em agendas como privatizações e concessões. Ele lembrou que, em um ranking de 121 países, a divisa brasileira ficou em 6º lugar entre as moedas que mais se desvalorizaram em 2020.