Deputado Estadual usa dinheiro público para pagar aluguel de casa para família - Caarapó Online

Caarapó - MS, domingo, 24 de janeiro de 2021


Deputado Estadual usa dinheiro público para pagar aluguel de casa para família

Loester Carlos (PSL) utilizou R$ 38 mil em verba pública para cobrir despesas particulares

Publicado em: 31/12/2020 às 07h28

MS Brasília

O deputado federal Loester Carlos (PSL-MS), o “Tio Trutis”, escancarou seu desrespeito à legislação sobre uso de recursos públicos ao gastar R$ 38.825,30 da cota parlamentar com aluguel de uma casa onde morou a ex-mulher e os filhos, em Campo Grande (MS).

Ao utilizar verba pública em benefício próprio, para despesas particulares, o parlamentar comete crime de peculato, com pena de dois a 12 anos de prisão e multa. O caso é um dos mais ousados sobre uso irregular de dinheiro do contribuinte, segundo apurou o jornal do MS em Brasília.

De acordo com o Portal Transparência da Câmara dos Deputados, o parlamentar usou o dinheiro para pagar oito meses de aluguel do imóvel, de alto padrão, entre fevereiro e setembro deste ano. O valor médio da locação é de R$ 4.900.

Durante esse período, o deputado Loester Carlos também pagou, com dinheiro da Câmara Federal, aluguel do escritório político em Campo Grande, de R$ 3.375, totalizando R$ 59 mil reais em oito meses com os dois imóveis.

Criada pelo Ato da Mesa 43/2009, a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar destina-se a custear gastos exclusivamente vinculados ao exercício do mandato, como manutenção de escritório de apoio: locação de imóveis, pagamento de IPTU, condomínio, energia, água e telefone.

Surpresa - O caso pegou de surpresa até mesmo a família do parlamentar. Pessoa próxima ao ex-casal conta que a ex-mulher desconhecia o uso de dinheiro público para pagar o aluguel do imóvel, com cerca de 300 metros quadrados, localizado em bairro de classe média da capital.

“O Trutis dizia que estava tirando o aluguel do salário e que, por isso, ela (ex-esposa) tinha que sair da casa e procurar outra mais barata. Estamos envergonhados”, afirmou a fonte, cuja identidade se manterá em sigilo para garantir a segurança da ex-mulher e dos três filhos.

O deputado Loester Carlos (PSL) negou o uso do local para aluguel particular e justificou que este era usado como escritório político. "É um absurdo, lá funcionava um escritório parlamentar, que foi desativado porque achei um imóvel maior e mais barato".

Gastos irregulares - Em 20 meses de mandato, Trutis torrou R$ 762 mil da cota parlamentar, um dos três que mais utilizam o benefício entre os integrantes da bancada federal. O valor é elevado para quem tomou posse no cargo anunciando que “a mamata tinha acabado”.

Em janeiro de 2020, por exemplo, ele gastou R$ 7.455 para pagar passagens aéreas à namorada e então assessora Raquelle Lisboa Alves, durante o recesso parlamentar, o que é proibido pela Casa de Leis, leia-se Câmara Federal.

Trutis também pagou valores entre R$ 30 mil e R$ 35 mil a um escritório de advocacia de Campo Grande (MS)como consultoria jurídica, totalizando R$ 330 mil reais em 11 meses. Atualmente, os maiores gastos do deputado com cota parlamentar são com aluguel de veículos, média de R$ 10 mil por mês.