Funcionária pagou R$ 50 milhões por ‘trabalho espiritual’ para enganar polícia e patrão - Caarapó Online

Caarapó - MS, terça-feira, 24 de novembro de 2020


Funcionária pagou R$ 50 milhões por ‘trabalho espiritual’ para enganar polícia e patrão

Apesar de salário de R$ 5 mil, polícia descobriu que funcionária ficou milionária fazendo desfalque.

Publicado em: 20/11/2020 às 06h35

Marcos Morandi

Uma reviravolta no caso da funcionária de uma empresa agrícola de máquinas e implementos de Dourados (MS) que chegou a desviar R$ 50 milhões em consultas espirituais para mães de santo, que atuavam em São Paulo. A polícia de Dourados descobriu que na realidade a funcionária tentava encobrir rastros de desvios de R$ 5 milhões, desde que passou a fazer o financeiro da empresa.

Segundo o delegado Rodolfo Daltro, a funcionária tinha uma renda mensal de R$ 5 mil e nos últimos quatro anos acabou acumulando um patrimônio de mais de R$ 5 milhões em fazendas em municípios próximos e residências na cidade. Para tentar encobrir os rastros, a funcionária, então, teria contratado as mães de santo para fazer trabalhos espirituais para que os donos da empresa e nem a polícia descobrissem que ela havia feito desvios. Antes da operação ser deflagrada nesta quinta (19.11) ainda tentou vender de forma fraudulenta uma propriedade para o noivo.

Neste tempo acabou pagando as mulheres que moram em São Paulo valores de R$ 50 mil até R$ 100 mil para que trabalhos espirituais fossem feitos, o que acabou em um desvio de mais R$ 50 milhões para as mães de santo. Para tentar encobrir os inúmeros desvios, a funcionária procurou a delegacia para registrar um boletim de ocorrência afirmando ter sido vítima de um golpe.

Nesta quinta-feira (19) foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa da funcionária, do namorado e na empresa onde ela trabalhava. Um dos carros apreendidos da funcionária estava avaliado em R$ 120 mil.


Entenda o caso do desvio


Na época em que a secretária procurou a delegacia, em setembro deste ano, para fazer um boletim de ocorrência, ela contou que a mãe de santo teria dito que estaria possuída por um “espírito maligno” e que se não fizesse o que ela mandasse, poderia perder a vida.

Supostamente pressionada pela mãe de santo paulista a funcionária teria feito, somente nos últimos 45 dias, transferências milionárias para dez contas bancárias diferentes. Segundo a vítima das chantagens, os proprietários da empresa também estariam sendo ameaçados.

A denunciante relatou ainda que recebia atendimento espiritual da mãe de santo desde 2018, e que a mesma “passou a exigir as transferências de valores da empresa sob pena de ser lançada uma maldição que ao final culminaria com a prática de suicídio”.

A mãe de santo ainda teria dito que outra guru espiritual entraria em contato, devendo ser obedecido tudo o que ela ordenava, o que acabou acontecendo. Assim, a funcionária da empresa disse que com medo de sofrer sanções de cunho espiritual passou a realizar transferências para contas bancárias apontadas pelas duas mulheres que, ao final de 30 dias, que seria um período de penitência, somaram mais de 50 milhões de reais.