Fundação Palmares exclui nome de Marina Silva da lista de personalidades negras - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 24 de outubro de 2020


Fundação Palmares exclui nome de Marina Silva da lista de personalidades negras

Sérgio Camargo diz que ex-senadora se declara negra 'por conveniência' política e vencer pleitos eleitorais

Publicado em: 14/10/2020 às 07h55

UOL

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, usou as redes sociais para anunciar que excluiu o nome da ex-senadora Silva da lista de Personalidades Negras da instituição.

Segundo Sérgio Camargo, a ex-candidata à Presidência da República foi excluída da lista porque “não tem contribuição relevante para a população negra do Brasil”. “Disputar eleições não é mérito. O ambientalismo dela vem sendo questionado e não é o foco das ações da instituição”, escreveu no Twitter.

Para o presidente da fundação Palmares, Marina Silva “autodeclara-se negra por conveniência política”. Sérgio Camargo também atacou os deputados David Miranda e Talíria Petrone (ambos do PSOL-RJ), o ex-deputado Jean Wyllys e a cantora Preta Gil, que para ele, declaram-se negros “por conveniência”.

“Não é um caso isolado. Jean Willys, Talíria Petrone, David Miranda (branco) e Preta Gil também são pretos por conveniência. Posar de ‘vítima’ e de ‘oprimido’ rende dividendos eleitorais e, em alguns casos, financeiros”, disse.

No final de setembro, a deputada federal Benedita da Silva (PT), que é candidata à prefeitura do Rio de Janeiro, foi retirada da lista. A Fundação Palmares foi criada em 1988 com objetivo de preservar a cultura negra no país.

Reações Diversas

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) e o ex-deputado Jean Wyllys rebateram os ataques do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo.

“As decisões administrativas de um desqualificado não mudam a maneira como me identifico, tampouco a etnia de meus antepassados por parte da família de meu pai, fator sobre o qual ele não tem nenhuma autoridade para se manifestar. Eu sigo sendo o que sou”, afirmou Jean Wyllys, que atualmente é professor nos Estados Unidos.

Já a parlamentar lamentou a postura de Sérgio Camargo por “em vez de usar o cargo para desenvolver ações de preservação da memória e da cultura da população negra brasileira, perca seu tempo em atacar, pelas redes sociais, quem diverge de sua política”.

“A postura de Sérgio Camargo — baseada em arroubos autoritários típicos do bolsonarismo — definitivamente não condiz com o cargo que ocupa. Não é este homem, com esta postura que reproduz o racismo e envergonha nossa história de resistência, que irá questionar minha realidade enquanto mulher negra. Está mais do que na hora de devolver a Fundação Cultural Palmares ao povo, ao qual ela deveria servir”, declarou a parlamentar.

O deputado David Miranda (PSOL-RJ) defendeu a saída de Camargo da fundação. Para ele, o presidente do órgão é “um inimigo da luta antirracista”. “A permanência de Sérgio Camargo na Fundação Palmares envergonha todo brasileiro e brasileira consciente da luta do povo negro contra séculos de racismo estrutural e opressão”, disse.


Histórico de ataques


Sérgio Camargo tem histórico de atacar o movimento negro e suas lideranças. Ele já chamou Zumbi dos Palmares de “filho da puta” e o movimento negro de “escória maldita”. Ele também já defendeu o fim do feriado da Consciência Negra e afirmou que a escravidão foi “benéfica para os descendentes” de escravos no país.