Reitoria da UFGD dá prazo de um mês para vendedores ambulantes saírem do campus - Caarapó Online

Caarapó - MS, quarta-feira, 21 de outubro de 2020


Reitoria da UFGD dá prazo de um mês para vendedores ambulantes saírem do campus

Reitoria da Universidade Federal dá prazo de 30 para vendedores ambulantes saírem do campus

Publicado em: 08/10/2020 às 07h44


No dia 14 Setembro de 2020, foi emitido um “Termo de Notificação” aos ambulantes, proprietários de barracas de alimentos e food trucks, que estão no campus da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), para que desocupem as áreas utilizadas no máximo em 30 dias. Mais uma surpresa da Reitoria, que desde o ano passado ameaçava tal ação.

Agora, sem estudantes no campus, a Proae (Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis), aproveitou o atual momento de pandemia para desalojar pessoas e proibir o uso de espaços públicos da universidade. Vale ressaltar, que o espaço é uma alternativa para os estudantes se manterem alimentados no campus (distante quase 15 km da cidade de Dourados), e para muitos ambulantes a única fonte de renda em tempos de crise econômica.

No ano passado, época em as primeiras ameaças surgiram, o DCE (Diretório Central dos e das Estudantes) entrou em contato com a PROAE, onde foi garantido a abertura de edital de licitação em janeiro de 2020 para que os proprietários de barracas de alimentos e food trucks regularizassem algumas questões e tivessem uma maior garantia de permanência nesses espaços.

Além de que os proprietários concordaram em pagar uma taxa e a documentação exigida para ocupar os espaços da universidade foi providenciada. Também houve uma solicitação à PROAE, para que vendedores ambulantes/estudantes não fossem obrigados a pagar essa taxa. Entretanto, o edital não foi aberto pela pró-reitoria responsável pela administração.

O uso de espaços públicos para funcionamento de Food Trucks no município de Dourados (MS) é regulamentado pela lei N° 3.974 de 11 de abril de 2016 e tem como objetivo atender a necessidade de geração de empregos e oportunidades na cidade de Dourados. Assim que houve aprovação da lei, a então reitoria da UFGD, realizou um teste de implantação de Food trucks no campus, sendo aprovado pelos estudantes, dando continuidade no processo de implantação.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o desemprego já atinge 12,8 milhões de pessoas da nossa classe trabalhadora. Com a crise intensificada pela pandemia, o comércio de alimentos no campus é uma das alternativas de subsistência de muitos estudantes e de famílias douradenses. Para além disso, esses alimentos que não são ofertados no Restaurante Universitário (RU), deveriam se multiplicar, visto que a demanda é maior em determinados horários na UFGD. Tal ação, demonstra que a reitoria pró-tempore não se importa com a permanência estudantil, e muito menos com acesso à alimentação, fatores cruciais para o bom desempenho dos estudantes.