Vacinas contra a Covid-19 serão testadas em Mato Grosso do Sul - Caarapó Online

Caarapó - MS, terça-feira, 22 de setembro de 2020


Vacinas contra a Covid-19 serão testadas em Mato Grosso do Sul

Experimentos da chinesa Sinovac-Biotech e da belgo-americana Jansen, da Jhonson & Jhonson serão aplicados em voluntários

Publicado em: 16/09/2020 às 07h27

Daiane Albuquerque

O governo de Mato Grosso do Sul tenta duas parcerias para trazer ao Estado pesquisas de imunizantes contra o novo coronavírus, a Covid-19. A parceria precisa de autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para ser concretizada.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, a intenção é de que sejam desenvolvidos em Mato Grosso do Sul testes com a vacina chinesa CoronaVac, do laboratório Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan e com a Ad26.COV2.S, do laboratório belga Janssen-Cilag – unidade farmacêutica da Johnson & Johnson.

As pesquisas necessitariam de três mil voluntários, que seriam os profissionais da saúde da linha de frente do Estado e que não foram infectados pelo vírus.

O secretário afirmou que não há prazo para que essa parceria seja consolidada, já que a Anvisa é quem formalizará a parceria. “É uma esperança para contribuir com a pesquisa, tentar fazer parceira com essas empresas que estão lutando para desenvolver uma vacina”, disse.

Ainda conforme o secretário de Saúde Geraldo Resende, essa colaboração pode trazer algumas vantagens para Mato Grosso do Sul caso uma delas seja considerada eficaz contra a doença. “Vai ter certamente alguma vantagem, como conseguir as doses com mais velocidade, quando comprovada a eficácia”.

Vacina BCG

Além disso, Campo Grande também começa em outubro a participar da pesquisa mundial que testa a vacina da BCG, usada para a tuberculose, como imunizante contra o novo coronavírus.

Serão imunizados dois mil profissionais voluntários da área da saúde. A pesquisa é feita pela Universidade de Melbourne, na Austrália, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Brasil. O estudo foi aprovado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e tem investimento do bilionário Bill Gates, por meio da Fundação Bill e Melinda Gates.

Segundo o pesquisador responsável na Capital, Dr. Julio Croda, o projeto será feito no Reino Unido, na Espanha e na Austrália. Também está em negociação a aplicação das doses no Rio de Janeiro, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“O objetivo é recrutar 10 mil trabalhadores da saúde acima de 18 anos – não tem idade limite – que não tenham nenhuma contraindicação para serem vacinados com a BCG”.

Além de ter o objetivo de avaliar se a BCG impede que a pessoa se infecte, os pesquisadores também querem saber se, no caso de uma contaminação com a doença, o imunizante impediria que o paciente desenvolvesse a forma mais grave da doença.