Câncer colorretal aumenta entre jovens e hábitos de vida podem ser as causas - Caarapó Online

Caarapó - MS, quarta-feira, 30 de setembro de 2020


Câncer colorretal aumenta entre jovens e hábitos de vida podem ser as causas

Alerta vem exatamente em setembro, o 'mês verde', dedicado à conscientização sobre a doença

Publicado em: 08/09/2020 às 08h12

André Murad - Oncologista

O talentoso ator norte-americano Chadwick Boseman morreu de câncer colorretal (CCR) (também chamado cólon e reto) com apenas 43 anos de idade, e o fato chamou a atenção para este fenômeno, já tão bem documentado pela ciência: as taxas de incidência e mortalidade associadas ao CCR nos Estados Unidos têm diminuído nas últimas décadas, em grande parte devido ao aumento da captação do rastreamento do CCR. Mas, infelizmente, a tendência oposta foi observada entre pacientes com menos de idade 50 anos.

Houve um aumento de 51% na incidência de CCR nesta faixa etária e um aumento de 11% na mortalidade associada ao CCR. Se as tendências atuais continuarem, até o ano de 2030, 10% de todos os cânceres de cólon e 22% de todos os cânceres retais nos Estados Unidos, serão diagnosticados em pacientes com menos de 50 anos. Para abordar o assunto de forma completa, nesta semana discutirei essa tendência e, na próxima semana, destacarei a boa notícia: a possibilidade de escolhermos pelo melhor tratamento sistêmico por meio de uma biópsia líquida.

estudos comprovam tendência

A Sociedade Americana de Câncer (ACS) divulgou recentemente uma pesquisa que aponta o aumento na incidência de câncer colorretal (de intestino grosso e reto) entre adultos jovens e de meia-idade nas últimas décadas. O estudo foi publicado no Journal of the National Cancer Institute.

Foram analisados mais de 490 mil diagnósticos, entre 1974 e 2013, nos Estados Unidos, nos quais se verificou um aumento de 1% a 2,4% anualmente em pessoas entre 20 e 39 anos, e também em pessoas entre 40 e 54 anos, para as quais o aumento foi de 0,5% a 1,3% por ano. Quando comparados com adultos nascidos na década de 50, aqueles nascidos na década de 90 têm um risco duas vezes maior de câncer de cólon e quatro vezes maior de câncer de reto.

Os CRCs de início precoce são mais prováveis %u200B%u200Bde ocorrer no cólon esquerdo, particularmente no reto, do que os CRCs de início tardio. Eles também são mais propensos a ter histologia agressiva, como características mucinosas e células em anel de sinete, e tendem a ser diagnosticados em estágios posteriores. E também são mais propensos a ter sintomas - sangramento ou mudança nos padrões intestinais - e ter uma dor significativamente maior, em comparação com pacientes mais velhos (217 dias vs 29 dias).

Predisposição genética e hábitos alimentares são causas prováveis

A causa exata dessa tendência alarmante não é clara. Aproximadamente 16% de todos os CRCs diagnosticados em pacientes com menos de 50 anos estão associados a uma predisposição genética, como a Síndrome de Lynch. Em uma proporção substancial dos pacientes restantes, o câncer pode ter uma história familiar de CRC ou pólipos colorretais pré-cancerosos avançados - fatores de risco estabelecidos para CRC em idades mais jovens. Entre os indivíduos sem condição genética e sem história familiar de neoplasia colorretal, a causa da idade precoce do diagnóstico não é clara.

Estudos clínicos e especialistas se dividem em busca das respostas para esse fenômeno. O consumo de alimentos ultraprocessados, embutidos e enlatados, o excesso de consumo de carne vermelha, o tabaco, a obesidade e o estresse estão no topo das hipóteses, além da deficiência na ingestão de alimentos ricos em fibras, como frutas, verduras e cereais e água. Novos fatores de risco também foram propostos, incluindo alterações na microbiota intestinal (devido ao uso de antibióticos de forma prolongada) e mudanças nas exposições ambientais, como radiação ou carcinógenos no abastecimento de água. As pesquisas epidemiológicas em andamento são necessárias para caracterizar melhor os fatores de risco.

Ocorrência entre mulheres

Um levantamento que analisou dados de dois grandes estudos de coorte nos Estados Unidos descobriu que, particularmente entre as mulheres, parecia haver uma associação entre a gordura corporal no início da vida e o risco de CCR. Além disso, uma análise de dados de mais de 85.000 mulheres que participaram do Nurses Health Study II mostrou que mulheres obesas tinham quase o dobro do risco de CCR de início precoce e que o risco era aumentado para mulheres com sobrepeso em comparação com mulheres que tinham um peso saudável (índice de massa corporal de 18,5 kg/m2 a 22,9 kg/m2).

O uso de antibióticos, especialmente em longo prazo durante o início da idade adulta média, está associado a um risco aumentado de CRC, possivelmente devido às alterações no microbioma intestinal. Além disso, o uso de antibióticos, durante a primeira ou segunda infância (fenômeno que aumentou acentuadamente nas décadas de 1970 e 1980) pode ter afetado a diversidade microbiana e ampliado o risco de câncer.

Outra área de exploração diz respeito às mudanças epigenéticas, que ocorrem em resposta a fatores como aumento no consumo de bebidas e alimentos açucarados, aumento dos níveis de poluição ou aumento de hábitos sedentários associados a jogos de videogame e uso de celulares.

Embora o perfil genômico do CRC de início precoce não difira significativamente daquela da doença de início tardio, há dados que mostram diferenças marcantes nos perfis de metilação do DNA. A hipometilação do DNA é tipicamente a primeira anormalidade epigenética reconhecida em tumores humanos em estudos de alta resolução em todo o genoma, embora, novamente, sua relevância para a doença de início precoce não seja clara. Também se questiona se os fatores dietéticos, como deficiência de ácido fólico, poderiam contribuir para a hipometilação do DNA e, assim, aumentar a incidência de câncer gastrointestinal de início precoce.

Importância da prevenção e do diagnóstico precoce

Adicionalmente, há um fator extremamente preocupante: em jovens, o câncer de intestino tem sido diagnosticado mais tardiamente, quando a doença já avançou bastante, o que reduz as chances de cura com os tratamentos disponíveis.

Com a adoção de uma vida mais saudável, é possível evitar o desenvolvimento do tumor. Investir em uma alimentação saudável adequada e rica em vegetais, controlar o consumo de carne processada ou vermelha, e investir na prática regular de atividades físicas são caminhos para evitar o aparecimento desse tipo de câncer.

Independentemente da etiologia da carga crescente de CCR em pacientes mais jovens, há uma necessidade urgente de abordar a questão. Deve haver esforços contínuos para melhorar o reconhecimento daqueles com síndromes de câncer hereditárias/genéticas, uma vez que temos opções eficazes de prevenção do câncer para esses pacientes, como exames de colonoscopia ou cirurgia profilática.

Além de reconhecer as síndromes familiares, é extremamente importante coletar e agir sobre a história familiar de CCR e pólipos colorretais avançados para instituir o rastreamento apropriado. As diretrizes atuais apoiam a triagem de parentes de primeiro grau de pessoas com CCR ou pólipo colorretal avançado aos 40 anos (ou 10 anos antes do diagnóstico de CCR/pólipo avançado). Essas populações são sub-selecionadas e fornecem uma oportunidade imediata para identificar indivíduos de alto risco.

Dados os atrasos observados entre o início dos sintomas e o diagnóstico, é crucial que os profissionais avaliem completamente os sintomas - sangramento retal, mudança nos padrões intestinais, perda de peso não intencional, dor abdominal inexplicável ou anemia - e exerçam um baixo limiar para exame endoscópico inferior, independentemente da idade do paciente.

As sociedades profissionais estão considerando diminuir a idade para o rastreamento do CCR de risco médio para lidar com o aumento da carga de doenças em pacientes mais jovens. Em 2018, a American Cancer Society propôs uma recomendação qualificada para oferecer o rastreamento aos 45 anos em vez de aos 50 anos, uma abordagem que mostrou ser custo-efetiva. O fenômeno da maior incidência do CCR não deve ser negligenciado. É urgente que elaboremos formas de maximizar a prevenção e de melhorar o diagnóstico e o rastreamento.