Empresário que criticou isolamento social pega covid-19 e admite: Vi a morte de perto - Caarapó Online

Caarapó - MS, quinta-feira, 13 de agosto de 2020


Empresário que criticou isolamento social pega covid-19 e admite: Vi a morte de perto

Apoiador do presidente Bolsonaro, Pedro Zonta, presidente da Associação Paranaense dos Supermercados, havia feito apelo, em março, para que as pessoas não se acovardassem e enfrentassem a pandemia

Publicado em: 23/07/2020 às 08h24

Luiz Henrique Campos

O empresário Pedro Joanir Zonta, de 69 anos, presidente do supermercado Condor Super Center e também presidente da Associação Paranaense de Supermercados (Apras), recebeu alta médica, na manhã desta quarta-feira (22.07), e afirmou ter visto a morte de perto após ser infectado pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Em março, no início da pandemia da COVID-19 no Brasil, o dirigente, apoiador do presidente Jair Bolsonaro, havia dito que as pessoas não deveriam “se acovardar e ficar em casa”.

Por meio de um vídeo divulgado em uma rede social, Pedro Zonta agradeceu às pessoas que enviaram energias positivas para que ele se recuperasse da doença e voltasse logo para casa.

Graças a Deus cheguei em casa hoje, depois de um longo tempo de UTI – fiquei 11 dias e vi a morte de perto. Mas estou aqui me recuperando, ainda com o fôlego um pouco fraco, mas acredito que sejam poucos dias de fisioterapia para estar de novo como sempre foi. Agradeço a Deus e a todas as orações feitas por todos os amigos, que se lembraram de mim e oraram por mim. Muito obrigado! Que Deus gratifique cada um de vocês pelo que fizeram por mim”, agradeceu.

O empresário foi internado no dia 9 de julho, após ter confirmado o diagnóstico positivo para a COVID-19. Na ocasião, a assessoria de Zonta disse, em nota, que ele teve manifestação na forma mais grave e passava bem, mas foi internado preventivamente para recuperação e monitoramento.

No início de março o presidente do Condor gravou um vídeo contestando as medidas preventivas das autoridades de saúde brasileiras no combate à COVID-19. Na gravação ele ainda afirmou que era necessário enfrentar “essa fase lutando, não se acomodando”.

“O que é pior? Vamos fazer o que é menos pior nesse momento. Vamos nos preocupar em passar essa fase lutando, não se acomodando. Não é com acomodação que nós vamos resolver os problemas, é enfrentando. Temos que enfrentar. Segunda-feira, volte ao normal. Não escute àqueles que querem a destruição do país, àqueles que acham que quanto pior é melhor. Vamos em frente, pois temos garra, somos guerreiros e temos uma Pátria para lutar por ela”, declarou.