Ensino remoto ocupam estudantes durante pandemia em Caarapó(MS) - Caarapó Online

Caarapó - MS, segunda-feira, 10 de agosto de 2020


Ensino remoto ocupam estudantes durante pandemia em Caarapó(MS)

Ensino remoto mantém estudantes ativos durante pandemia da Covid-19 em Caarapó

Publicado em: 21/07/2020 às 07h59

Dilermano Alves

As aulas presenciais estão suspensas na rede municipal de ensino de Caarapó(MS) há cerca de três meses. O motivo é a pandemia provocada pelo novo coronavírus, que atinge todo o planeta. Em Caarapó, a exemplo do resto do País, a alternativa foi o ensino remoto, adotado para não prejudicar os estudantes e manter o ano letivo. Assim, as escolas estão promovendo a oferta de atividades pedagógicas complementares, que são desenvolvidas no ambiente familiar.

De acordo com a secretária municipal de Educação de Caarapó, Ieda Marran, com a suspensão das aulas presenciais, os diretores foram orientados a ajustar dois elementos fundamentais no planejamento das atividades alternativas a serem enviadas aos alunos durante a pandemia: a quantidade e a qualidade do material enviado aos alunos e a adequação à faixa etária de cada turma, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o referencial curricular. “As atividades são planejadas considerando as competências e habilidades previstas para cada ano escolar, dentro do período educacional e também a capacidade de realização no ambiente domiciliar. A forma de organização, entrega das atividades e contato com as famílias são de responsabilidade da equipe gestora de cada instituição”, observa a titular da Semeec.

Para envio das atividades, a equipe escolar de cada escola elabora um cronograma de estudo, distribuído durante a semana, de acordo com a disciplina a ser trabalhada. Para elaborar e produzir o material, são considerados pontos importantes, como: importância dos conteúdos/atividades elaboradas para o desenvolvimento cognitivo do estudante; complexidade, tempo necessário para desenvolver as atividades propostas. Os recursos utilizados são o livro didático e gravação de vídeos pelos professores, com explicações referentes às atividades, que são encaminhadas para o grupo das turmas no aparelho celular do pai, mãe ou responsável, via algum aplicativo, com as explicações sobre como realizar as atividades e quais os passos a serem seguidos.

Para as famílias que não possuem acesso à internet ou recursos tecnológicos, as equipes pedagógicas providenciam e disponibilizam apostilas das atividades elaboradas, com as devidas orientações dos professores, para que as crianças possam realizar as atividades em casa. Como devolutiva, as atividades desenvolvidas pelos alunos são fotografadas pelos pais ou responsáveis e encaminhadas para os professores de cada disciplina via aplicativo de celular, como o whatsapp. As dúvidas surgidas são encaminhadas no contato particular dos professores. Já as atividades impressas são entregues nas instituições.

Ieda Marran informou que os professores estão à disposição todos os dias, no celular, para tirar as dúvidas de pais e alunos. Sempre que necessário, professores e coordenação pedagógica entram em contato para ajustar os trabalhos, fazendo mudanças, se necessário. A coordenação pedagógica também está disponível, no celular e aplicativos, para atender os professores, pais e alunos.


Nos Centros de Educação Infantil (CMEIs), os educandos necessitam de um outro tipo de abordagem, onde a avaliação é realizada para fins de acompanhamento e registro do desenvolvimento integral das crianças, sem o objetivo de promoção. A avaliação para esta etapa de ensino está sendo realizada por meio das atividades desenvolvidas junto às famílias e realização das atividades pedagógicas enviadas pelo professor, sejam elas via aplicativo de celular ou impressas. Uma avaliação mais aprofundada será realizada no retorno das aulas presenciais.

Na Escola Municipal Indígena Ñandejara, onde a comunidade não tem acesso à internet e não dispõe de equipamentos tecnológicos, gestores e professores elaboraram um projeto pedagógico para atender os estudantes. As atividades são planejadas, considerando o público alvo e os desafios, e são entregues quinzenalmente.

A secretária de Educação de Caarapó disse que, em meio ao cenário pandêmico e diante da necessidade de não deixar a educação “morrer”, novas estratégias foram adotadas para que os estudantes mantenham acesso à oferta da educação. “É com a ajuda das famílias que podemos minimizar os prejuízos do ensino e aprendizagem. Por maiores que sejam as dificuldades, através do esforço de todos gestores e professores, estamos conseguindo manter a educação viva com os estudantes e fortalecendo a relação família-escola”, concluiu a secretária