Golpe digital nas redes sociais com link falso promete saque de R$ 1.045 - Caarapó Online

Caarapó - MS, quinta-feira, 2 de julho de 2020


Golpe digital nas redes sociais com link falso promete saque de R$ 1.045

Link falso que circula nas redes sociais atingiu mais de 90 mil acessos e compartilhamentos. Vítimas são atraídas pela promessa de poder retirar até R$ 1.045 de suas contas do FGTS

Publicado em: 08/06/2020 às 06h39

Ana Maria da Silva

Em tempos de serviços digitais e informações sendo compartilhadas a todo momento na internet, um golpe envolvendo o saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de R$ 1.045, tem feito milhares de vítimas. Segundo a Psafe, desenvolvedora de software de segurança, mais de 90 mil acessos e compartilhamentos do link falso foram detectados, e 15 URLs (endereços de site) maliciosas identificadas.

O golpe ocorre por meio de uma página falsa na internet. Com ela, os golpistas solicitam dados pessoais das vítimas e, em seguida, pedem o compartilhamento do link com seus contatos de WhatsApp, como uma suposta garantia para o recebimento do valor. Os estados com maior número de vítimas são: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Rio Grande do Sul. Segundo informações da Psafe, foram registrados cerca de mil casos no Distrito Federal.

Diretor da desenvolvedora de software, Emilio Simoni explica que, quando a vítima informa seus dados no link malicioso, fica vulnerável ao vazamento de informações pessoais, que podem ser usadas pelos cibercriminosos para realizar a assinatura de serviços on-line, além de abrir contas em bancos com os dados roubados. “Outro problema é quando a vítima compartilha o link malicioso com seus contatos, ela torna-se um vetor de disseminação do golpe, o que garante aos cibercriminosos um crescimento acelerado dos ataques”, ressalta.

Na mensagem enviada pelos criminosos, há o falso link para que o usuário consulte a aprovação de seu benefício e a possível data para o saque. Essa dinâmica havia sido observada, anteriormente, em outros ciberataques, como o que prometia o cadastro no Programa de Auxílio Emergencial do Governo. No entanto, diferentemente do primeiro golpe, este ainda redireciona a vítima para um site que solicita permissão para o envio de notificações. “Quando a pessoa concede a permissão para o envio das notificações, os criminosos podem utilizá-la para repassar propagandas, com as quais lucram, e, até mesmo, aplicar novos golpes”, alerta Simoni.

Foi o caso da doméstica Sofia Maria Pereira, 55 anos. Ela conta que recebeu o link de uma vizinha, mas, antes de clicar, pediu ajuda para a filha, com medo de fazer algum procedimento errado. Foi quando desconfiou da mensagem. “Eu não entendo muito de rede social. Pedi a ajuda da minha filha para não fazer nenhuma besteira, mas ela logo percebeu que poderia ser falso”, conta. “Como a maioria das coisas está sendo feitas pela internet, hoje, por conta da pandemia, quem é mais velho e não conhece muito, acaba caindo no golpe. Aconselho a quem tiver pessoas mais jovens por perto a pedir ajuda”, reforça Sofia.


Recomendações e Cuidados


O delegado Dário Taciano de Freitas Júnior da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC) explica que, para evitar esse tipo de golpe, é importante que o usuário suspeite dos links, ainda que enviados por conhecidos ou familiares. “Cheque a veracidade das informações. Antes de clicar em links, faça uma busca rápida pela internet e confirme a veracidade da mensagem”, reforça Dário. Para fugir de golpes em ambiente digital, o delegado aconselha que o consumidor esteja atento a algumas características dessas mensagens. “É comum que a plataforma desses links maliciosos contenha erros gramaticais”, alerta.


Dário diz, ainda, que o número de ocorrências desse tipo de golpe teve um aumento significativo durante o período de pandemia. Como forma de enfrentamento, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) ampliou o rol de ocorrências que podem ser registradas pela internet, sem a necessidade de que a vítima compareça a uma delegacia. “É uma investigação extremamente técnica. Mas, como é sabido, o crime digital deixa rastros. Dessa forma, o meio virtual viabiliza a identificação de provas e, por intermédio de uma investigação, é possível chegar ao verdadeiro autor do fato”, explica o delegado.