Comandante continua preso, após operação achar arma sem registro no gabinete - Caarapó Online

Caarapó - MS, sexta-feira, 29 de maio de 2020


Comandante continua preso, após operação achar arma sem registro no gabinete

Sete oficiais foram presos em ação contra a Máfia do Cigarro no Estado de MS

Publicado em: 18/05/2020 às 10h40

Aline dos Santos

Alvo de prisão preventiva em operação contra a Máfia do Cigarro, o tenente-coronel Josafá Pereira Dominoni, então comandante da 5ª Companhia Independente de Campo Grande, também foi flagrado com arma sem registro. Preso em flagrante, passou por audiência de custódia e teve a segunda prisão preventiva decretada, desta vez pela posse da arma de fogo.

Foi apreendida uma pistola 9 milímetros, carregada com 16 munições intactas. A arma foi encontrada no gabinete do comandante. A operação Oiketicus, cuja fase batizada de Avalanche foi realizada na última sexta-feira (dia 16), provocou mudanças de comando da PM (Polícia Militar) em Naviraí, Dourados, Coxim, na 5ª Companhia Independente de Campo Grande e na 4ª Seção do Estado-Maior da corporação.

Os titulares foram presos na ação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) em parceria com a Corregedoria da PM por suspeita de envolvimento na Máfia do Cigarro, esquema para liberar cargas de cigarros contrabandeados do Paraguai.

De acordo com portarias publicadas nesta segunda-feira, o tenente-coronel Wesley Freire de Araújo foi dispensado da função de confiança de comandante em Naviraí. Para o posto, foi designado o tenente-coronel Rodrigo Alex Potrich.

Em Dourados, sai o tenente-coronel Carlos da Silva, preso na operação, e entra o oficial Juracy Pereira da Paz. No município de Coxim, o major Luiz Cesar de Souza Herculano foi dispensado do posto de comandante da corporação, sendo substituído pelo tenente-coronel Adriano Rodrigues de Oliveira.

Também alvo do Gaeco, o tenente-coronel Josafá Pereira Dominoni não comanda mais a 5ª Companhia da PM de Campo Grande. O posto agora é do tenente-coronel José Carlos Rodrigues. A chefia da 4ª Seção do Estado-Maior, que coordena assuntos relativos à gestão e projetos e captação de recursos da PM, também teve mudança.

O tenente-coronel Jidevaldo de Souza Lima foi dispensado. Para a função, foi designado o tenente-coronel Anderson Rezende Diniz. Para assumir o posto, o oficial deixou a função de diretor da diretoria de gestão do Presídio Militar.

Em outra portaria assinada pelo comandante da PM, coronel Waldir Ribeiro Acosta, cinco oficiais presos na ação foram transferidos para o Comando Geral por inconveniência de serem mantidos nos cargos: Wesley Freire de Araújo, Carlos da Silva, Jidevaldo de Souza Lima, Luiz Cesar de Souza Herculano e Josafá Pereira Dominomi.

Também preso, o coronel Kleber Haddad Lane foi retirado do cargo de superintendente da Superintendência de Assistência Socioeducativa, ligado à Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública). A resolução foi assinada pelo secretário Antônio Carlos Videira. O cargo será assumido, de forma interina, por Tatiana Rezende Nassar Cintra.

A operação do Gaeco investiga crimes de organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Campo Grande, Coxim, Sidrolândia, Naviraí, Aquidauana e Dourados. Nome da operação, oiketicus é alusivo à lagarta conhecida como “bicho cigarreiro”.

A reportagem conseguiu somente contato com a defesa de Jidevaldo Souza Lima, que informou que ainda analisa o documento da denúncia.