Exército do Paraguai abre valeta na linha internacional e gera crise politica - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 24 de outubro de 2020


Exército do Paraguai abre valeta na linha internacional e gera crise politica

País está com quarentena decretada desde 10 de março e com fronteiras fechadas desde o dia 16 do mesmo mês, devido ao novo coronavírus.

Publicado em: 22/04/2020 às 06h39

Tião Prado

O Paraguai passou a viver a crise do Covid-19 no dia 10 de março, e a partir do dia 16, o governo Federal do Paraguai começou a fechar as fronteiras com o Brasil, no estado de Mato Grosso do Sul, nas cidades de Coronel Sapucaia, Sete Quedas, Paranhos, Bela Vista e Ponta Porã, cidades que são consideradas gêmeas, com as cidades do Paraguai.

No sábado, dia 21 de março, na cidade de Paranhos que faz fronteira com a cidade paraguaia de Ypejhú, foi feito uma grande valeta para separar as duas cidades, e esse fato teve alguns comentários e nao demorou muito as coisas se acalmaram e ninguém mais falou nada a respeito.


No meio da manhã de terça-feira, 21 de abril, o ten.cel Luis Apesteguía, comandante das Forças Militares que estão em Pedro Juan Caballero, com o apoio de uma maquina retroescavadeira começou a abrir uma grande valeta entre as cidades de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, mais precisamente em frente ao setor de imigração da cidade paraguaia, alegando que naquela localidade o exército não tem como fiscalizar e se torna vulnerável e que com a abertura dessa valeta, as pessoas que tentarem passar não vão conseguir.

Tão logo as valas começaram a ser feitas, alguns vídeos mostrando a execução dos serviços começaram a circular nas redes sociais, surgindo todos os tipos de comentários, tanto de brasileiros, quanto cidadãos paraguaios, sendo em que uns contra e outros a favor dos militares e de sua ação.


No final da tarde, a parte da valeta em frente ao escritório da agência de imigracion foi concluido, só que ninguem ficou sabendo se esse trabalho estará prosseguindo na quarta-feira (22.04), ou vai parar por ai.

Já o meio da tarde, o governador do estado de Amambay, Ronald Acevedo, foi entrevistado pela Rádio Amambay FM, de propriedade de sua família, e "soltou o verbo" contra os militares paraguaios e até contra o partido Colorado, o qual pertence o presidente do país, Mario Abdo Benitez.

"Amanhã vou tentar falar mais uma vez com o ministro do Interior , Euclides Acevedo, se ele não me responder, mais tarde vou convocar todos os comerciantes e vamos para a linha de frente e faremos o que precisamos fazer. Se as autoridades desejarem podem até nos enviar para a cadeia, mas não vamos permitir que essas pessoas da capital brinquem com nós dessa maneira, nunca se lembraram de Amambay e agora vêm e fecham a fronteira, e isso é muito ruim, isso é culpa desse governo Colorado, de 70 anos de idade ", afirmou o Ronaldo Acevedo, governador de Amambay.

O governador chegou a afirmar que vai pegar as máquinas do Estado e tapar toda valeta, pois considera um desrespeito a todos os cidadãos, tanto do Paraguai, quanto do Brasil. Ronaldo Acevedo lembrou que as duas cidades contam com um grande número de estudantes de medicina que vieram de vários estados brasileiros e hoje ajudam a impulsionar a economia local.

A fala do governador convocando os comerciantes gerou uma grande expectativa nas redes sociais, e muitas pessoas manifestaram a vontade de estar presente na linha internacional nas primeiras horas da manhã de quarta-feira (22.04).

VEJA O VÍDEO

https://youtu.be/e6mzzBn3EiE